O BTG Pactual (BPAC11) comunicou nesta quinta-feira (14) que não avalia comprar o controle das usinas sucroalcooleiras da Atvos, que pertence ao grupo Odebrecht e está em recuperação judicial desde meados de 2019, explicando que a transação não se enquadra em sua estratégia de atuação.

“O banco não avalia, nem nunca avaliou, comprar o controle das usinas sucroalcooleiras de Atvos”, afirmou, ao acrescentar que a transação “não se enquadra nas estratégias de nenhuma das áreas de atuação do BTG Pactual”.

Na véspera, reportagem do Valor Econômico, que citou fontes com conhecimento do assunto, afirmou que o BTG tem avaliado a compra das usinas e que as conversas com responsáveis pela reestruturação da Atvos envolveriam um aporte de cerca de 500 milhões de reais na companhia em troca do controle dos ativos.

BTG (BPAC11) registra queda de 4% no lucro do 2TRI

BPAC11: Atvos

A Atvos, que está em recuperação judicial e é alvo de um dos maiores imbróglios societários hoje no Brasil, está buscando manter suas operações e reduzir custos enquanto a disputa entre a Odebrecht, que segue no controle da companhia, e o fundo Lone Star não chega ao fim. Em outubro, a empresa começará a integrar as atividades nas lavouras de duas

A integração das operações agrícolas começou a ser testada no ano passado em áreas próprias nas usinas Eldorado e Santa Luzia, ambas em Mato Grosso do Sul. A partir do mês que vem, o projeto terá início nas usinas Conquista do Pontal e Rio Claro — localizadas em São Paulo e Goiás, respectivamente.

Nas usinas sul-mato-grossenses, foram instaladas torres de satélite e sistemas de automação que permitem que operadores façam a gestão das máquinas agrícolas em tempo real e partir de uma central em Campinas (SP). Durante a pandemia, esse controle vem sendo realizado em home office.

O objetivo é agilizar as atividades agrícolas, aumentar a produtividade das máquinas e reduzir custos. E essas metas já vêm sendo alcançadas, segundo Rodrigo Vinchi, diretor agrícola da Atvos. Até o momento, o sistema aumentou o tempo de uso das máquinas em campo em 20% a 25%, o que vem reduzindo a demanda por equipamentos.

“Havia uma central de monitoramento, mas não com visão integrada. Se tivesse um caminhão quebrado na estrada, ou se a indústria estivesse com problema, não havia interligação. Agora vemos todo o processo”, afirmou Vinchi.

O grupo vai expandir o projeto, batizado de Cubo, para as oito usinas em atividade até março de 2021. Com um investimento de R$ 12 milhões em todas as unidades, a redução de custos esperada é de R$ 34 milhões ao ano, ante investimentos na área agrícola que ficam entre R$ 500 milhões e R$ 600 milhões por temporada.

A ideia é que os recursos economizados com máquinas e equipamentos (que consomem entre R$ 30 milhões e R$ 40 milhões por safra) sejam direcionados ao plantio de cana-de-açúcar, área que a empresa mais precisa investir para recuperar a produção após anos de crise.

Veja BPAC11 na Bolsa:

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: