Bitcoin se recupera após superar a marca dos US$ 50 mil, maior cotação desde maio

A maior alta do bitcoin foi ainda em abril desde ano, quando a criptomoeda conseguiu alcançar um valor de US$ 64 mil

Ao fim do último domingo (22), o mercado acompanhou a criptomoeda mais famosa dar a volta por cima. Chegando a US$ 50 mil, o Bitcoin (BTC) voltou a subir e apresentou sua maior cotação desde de maio deste ano.

A alta é extremamente importante, pois a criptomoeda vinha passando por um longo período de queda, algo que vinha assustando seus investidores.

A princípio, o maior aumento do Bitcoin foi em abril desde ano, quando a cripto conseguiu alcançar o valor de US$ 64 mil. Mesmo assim, logo em seguida, ela despencou e chegou ao seu menor preço em 2021, cerca de US$ 30 mil.

Motivos da alta

A escalada do Bitcoin até os US$ 50 mil foi um processo. Isso porque, essa alta se deu devido a alguns fatores que favoreceram a criptomoeda. Entre eles, o incentivo dos EUA, que vai investir US$ 28 bilhões em uma legislação para a moeda digital.

Dessa forma, o projeto aprovado pelo presidente norte-americano, Joe Biden, deu uma sobrevida ao criptoativo. Além disso, com a readaptação dos mineradores que saíram da China, e a expansão da rede através de corretoras, tudo indica que o Bitcoin está caminhando para um período de cada vez mais valorização.

Vale lembrar que a criptomoeda teve uma alta de quase 60% em apenas 3 semanas, algo surpreendente até mesmo para o Bitcoin, conhecido como um dos investimentos mais voláteis que tem no mercado.

Bitcoin se recupera e chega a US$ 50 mil, maior cotação desde maio
Bitcoin em alta pela primeira vez desde maio

Bitcoin Strategy ProFund (BTCFX)

O setor de criptomoedas tem ainda mais chances de subir com a comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC). Recentemente, a agência aprovou o Bitcoin Strategy ProFund (BTCFX), Esse é o primeiro fundo de investimentos mútuo que investe no ativo.

Em suma, o presidente da SEC, Gary Gensler, sinalizou a abertura do ETF após um discurso na semana passada. Com o lançamento, as empresas de fundos estão se movendo rapidamente. ProShares e Invesco já apresentaram planos com a SEC para lançar ETFs com base em bitcoins.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais