Aplicativo do governo para transferências financeiras eletrônicas, o PIX foi regulamentado nesta quarta-feira (12) pelo Banco Central (BC).

Segundo o BC, o PIX contará com a ferramenta “PIX Agendado”. Por meio dela, será possível agendar nos bancos um pagamento instantâneo em data futura.

Conforme o banco, o início do cadastro de Chaves PIX (número de telefone celular, CPF, CNPJ ou e-mail), que facilitam a identificação do recebedor, se dará em 5 de outubro de 2020.

Entretanto, o início da operação plena está marcado para 16 de novembro deste ano.

Em nota, o BC afirmou que “analisou as contribuições recebidas e promoveu ajustes, buscando aprimorar o conjunto de regras que regem o funcionamento do PIX para possibilitar a construção de um meio de pagamento eficiente, seguro, inclusivo, competitivo e capaz de acomodar os mais diversos casos de uso”.

PIX: aplicativo do governo para transferências é regulamentado pelo Banco Central
PIX: aplicativo do governo para transferências é regulamentado pelo Banco Central

PIX: diretor de Organização do Sistema Financeiro

Diretor de Organização do Sistema Financeiro, João Manoel Pinho de Mello disse que o PIX terá um custo baixo. “Hoje as instituições pagam algo como R$ 0,07 por TED. No PIX, de cada dez transações que cruzarem pela conta de um recebedor, a instituição pagará R$ 0,01. É basicamente zero”, pontuou.

O executivo ressaltou que não haverá tabelamento de preços no PIX.

Ele lembrou que em cartões de crédito e débito e em boletos o consumidor não paga nada para utilizar essas ferramentas.

“Quando você usa o cartão de crédito, não paga nada para usar. Quando paga o boleto, você não paga nada”, afirmou.

E acrescentou que o mesmo ocorrerá com o PIX. “Por uniformidade [com os demais meios], o pagamento no PIX se dará no meio recebedor.”

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: