É MELHOR TER UM CARRO OU ANDAR DE UBER?

Financista explica se é mais vantajoso ter carro próprio ou utilizar carros por aplicativo

 O interesse dos jovens pelos carros tem caído bastante com as novas opções de consumo. Segundo um estudo realizado pela Consultoria Delloite, 62% dos jovens nascidos a partir dos anos 90 não pensam em comprar carro. Com os mais variados aplicativos, fica muito mais fácil de se locomover pela cidade.

O aumento da população e o número de carros também encarece os custos, o preço dos estacionamentos é um exemplo de como está caro manter um automóvel próprio. Pensando nisso, o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, analisou se ainda vale a pena ter um automóvel próprio ou se o melhor seria utilizar outras opções, como os aplicativos de transporte, como por exemplo, o Uber.

“A ideia de que ter um carro é igual a liberdade não é mais tão forte assim. Ter um carro significa uma série de custos que acabam pesando demais no orçamento, enquanto os aplicativos podem ajudar a organizar as finanças”, explica Fabrizio.  

Custos Fixos de comprar um carro

O fator que mais pesa na compra de um carro é o custo fixo. Ter um carro significa gastar com impostos, manutenção preventiva e seguro. Esses custos, entre muitos outros, acontecerão mesmo se o carro estiver parado na garagem. Ao contrário disso, nos serviços por aplicativo, o que temos é somente o custo variável. Dessa forma, fica mais fácil controlar o orçamento, afinal, o número de pessoas autônomas, que tem renda variável também está aumentando.

Custos Variáveis de comprar um carro

Pensando pela ótica dos custos fixos e variáveis, o carro será mais vantajoso a partir do momento em que ele é necessário para grandes distâncias ou muitas vezes na semana. Isto é, se você consegue se locomover de transporte público para o trabalho todos os dias, e não percorre grandes distâncias de carro, o uso dos serviços por aplicativo, tanto para táxi quanto para aluguel de carros, vale bem mais à pena.

Agora, se você trabalha em uma cidade próxima ou anda por grandes distâncias é melhor ter o seu próprio carro, pois os custos são menores. Outro fator é o da emergência. Embora muito práticos, os aplicativos podem não ser bons para emergências. Portanto se você tem filhos ou alguém que precise de cuidado, seria bom levar em consideração ter o próprio carro, já que isso não tem preço.

Cálculos de comprar um carro

Para fazer as contas é preciso estabelecer seus custos variáveis e fixos. Por exemplo: Quanto é o consumo médio do seu carro por km? Quanto é gasto por mês de estacionamento? Quanto é o seguro? Quanto você gasta com manutenção e limpeza? Depois disso é preciso analisar as outras possibilidades, como a disponibilidade de transporte público.

Vale lembrar, que o carro é um ativo que perde muito valor com o uso. Um carro deprecia o seu valor em 10% ao ano, logo, um carro com o valor de R$ 50.000,00 irá passar a valer R$ 45.000,00 no final do seu primeiro ano.

Lembrando que no segundo o valor da depreciação é de R$ 4.500,00, 10% de R$ 45.000,00 e assim sucessivamente. Se esse valor fosse aplicado a 0,5% ao mês em um período de 2 anos o dono do veículo teria um valor de R$ 10.413,68. Em seis anos o montante acumulado chega a R$ 29.901,07.

Nesse tempo, mesmo em uma aplicação de rendimento baixo o seu patrimônio já aumentou em 10% ao valor que você teria com o carro. No final de dez anos, aplicando os mesmos valores, o investidor teria R$ 43.551,41, valor 124% maior de patrimônio do que com o carro, que estaria avaliado em R$ 19.371,02.

Vamos primeiro aos custos fixos. Pensemos no carro utilizado com exemplo, com o valor de R$ 50.000,00. Com a depreciação, temos então, no primeiro ano de compra, um custo aproximado de R$ 416,00 por mês de que somados aos 3% do seguro – R$ 1.500,00 por ano ou R$ 125,00 ao mês – e aos 4% do IPVA – R$ 2.000,00 ao ano ou aproximadamente R$ 166,00 ao mês – chegam ao montante de R$ 707,00.

Sobre os custos variáveis, vamos utilizar para o cálculo da gasolina o consumo 1 litro de gasolina para cada 10 km, a um preço médio de R$ 4,00 reais. Agora podemos pensar em alguém que more perto de seu trabalho e se locomova 10 km por dia.

Com essa distância o gasto mensal com gasolina ficaria em R$ 120,00. Somados a esse preço temos o gasto com estacionamento, em R$ 150,00, além dos gastos com manutenção e limpeza, que fazendo uma estimativa simples devem chegar a R$ 100,00 por mês.

Vale a pena usar Uber?

Os custos variáveis nesse caso somariam R$ 370,00. Somando as despesas, você gastaria R$ 1077,00 por mês ou R$ 35,90 por dia. Usando as mesmas proporções para os carros de aplicativo, o valor seria R$ 630,00 por mês ou R$ 21,00 por dia.

O valor, além de ser quase metade do gasto com o carro, é menos até do que os custos fixos do carro. Isto é, se o carro simplesmente ficasse na garagem, ainda seria mais caro que o valendo muito mais a pena usar o transporte por aplicativo.Vamos supor agora que em média você se locomova 30 km de carro por dia.

Com essa distância, e usando o mesmo carro de base, o gasto mensal com gasolina ficaria em R$ 360,00. Somados a esse preço temos os gastos estacionamento e pedágio, estimados em R$ 200,00, gastos com manutenção em R$ 150,00 e limpeza R$ 50.

Dessa forma, o gasto variável mensal seria de R$ 760,00. Somados custos variáveis e fixos, temos um total de R$ 1467,00 ou R$ 48,9 por dia. Fazendo o mesmo trajeto só com os carros de aplicativo, o custo diário ficaria, R$ 60,00 ou R$ 1800,00 por mês. Dessa maneira, pode-se ver que, quando são percorridas grandes distâncias ter um carro se torna mais vantajoso.

Leia também: “QUAL O MELHOR PARA O MEU COFRE DE EMERGÊNCIA: RDB DO NUBANK, CDB DO BANCO INTER OU NUCONTA?”

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais