Financista explica se é mais vantajoso ter carro próprio ou utilizar carros por aplicativo

 O interesse dos jovens pelos carros tem caído bastante com as novas opções de consumo. Segundo um estudo realizado pela Consultoria Delloite, 62% dos jovens nascidos a partir dos anos 90 não pensam em comprar carro. Com os mais variados aplicativos, fica muito mais fácil de se locomover pela cidade.

O aumento da população e o número de carros também encarece os custos, o preço dos estacionamentos é um exemplo de como está caro manter um automóvel próprio. Pensando nisso, o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, analisou se ainda vale a pena ter um automóvel próprio ou se o melhor seria utilizar outras opções, como os aplicativos de transporte, como por exemplo, o Uber.

“A ideia de que ter um carro é igual a liberdade não é mais tão forte assim. Ter um carro significa uma série de custos que acabam pesando demais no orçamento, enquanto os aplicativos podem ajudar a organizar as finanças”, explica Fabrizio.  

Custos Fixos de comprar um carro

O fator que mais pesa na compra de um carro é o custo fixo. Ter um carro significa gastar com impostos, manutenção preventiva e seguro. Esses custos, entre muitos outros, acontecerão mesmo se o carro estiver parado na garagem. Ao contrário disso, nos serviços por aplicativo, o que temos é somente o custo variável. Dessa forma, fica mais fácil controlar o orçamento, afinal, o número de pessoas autônomas, que tem renda variável também está aumentando.

Custos Variáveis de comprar um carro

Pensando pela ótica dos custos fixos e variáveis, o carro será mais vantajoso a partir do momento em que ele é necessário para grandes distâncias ou muitas vezes na semana. Isto é, se você consegue se locomover de transporte público para o trabalho todos os dias, e não percorre grandes distâncias de carro, o uso dos serviços por aplicativo, tanto para táxi quanto para aluguel de carros, vale bem mais à pena.

Agora, se você trabalha em uma cidade próxima ou anda por grandes distâncias é melhor ter o seu próprio carro, pois os custos são menores. Outro fator é o da emergência. Embora muito práticos, os aplicativos podem não ser bons para emergências. Portanto se você tem filhos ou alguém que precise de cuidado, seria bom levar em consideração ter o próprio carro, já que isso não tem preço.

Cálculos de comprar um carro

Para fazer as contas é preciso estabelecer seus custos variáveis e fixos. Por exemplo: Quanto é o consumo médio do seu carro por km? Quanto é gasto por mês de estacionamento? Quanto é o seguro? Quanto você gasta com manutenção e limpeza? Depois disso é preciso analisar as outras possibilidades, como a disponibilidade de transporte público.

Vale lembrar, que o carro é um ativo que perde muito valor com o uso. Um carro deprecia o seu valor em 10% ao ano, logo, um carro com o valor de R$ 50.000,00 irá passar a valer R$ 45.000,00 no final do seu primeiro ano.

Lembrando que no segundo o valor da depreciação é de R$ 4.500,00, 10% de R$ 45.000,00 e assim sucessivamente. Se esse valor fosse aplicado a 0,5% ao mês em um período de 2 anos o dono do veículo teria um valor de R$ 10.413,68. Em seis anos o montante acumulado chega a R$ 29.901,07.

Nesse tempo, mesmo em uma aplicação de rendimento baixo o seu patrimônio já aumentou em 10% ao valor que você teria com o carro. No final de dez anos, aplicando os mesmos valores, o investidor teria R$ 43.551,41, valor 124% maior de patrimônio do que com o carro, que estaria avaliado em R$ 19.371,02.

Vamos primeiro aos custos fixos. Pensemos no carro utilizado com exemplo, com o valor de R$ 50.000,00. Com a depreciação, temos então, no primeiro ano de compra, um custo aproximado de R$ 416,00 por mês de que somados aos 3% do seguro – R$ 1.500,00 por ano ou R$ 125,00 ao mês – e aos 4% do IPVA – R$ 2.000,00 ao ano ou aproximadamente R$ 166,00 ao mês – chegam ao montante de R$ 707,00.

Sobre os custos variáveis, vamos utilizar para o cálculo da gasolina o consumo 1 litro de gasolina para cada 10 km, a um preço médio de R$ 4,00 reais. Agora podemos pensar em alguém que more perto de seu trabalho e se locomova 10 km por dia.

Com essa distância o gasto mensal com gasolina ficaria em R$ 120,00. Somados a esse preço temos o gasto com estacionamento, em R$ 150,00, além dos gastos com manutenção e limpeza, que fazendo uma estimativa simples devem chegar a R$ 100,00 por mês.

Vale a pena usar Uber?

Os custos variáveis nesse caso somariam R$ 370,00. Somando as despesas, você gastaria R$ 1077,00 por mês ou R$ 35,90 por dia. Usando as mesmas proporções para os carros de aplicativo, o valor seria R$ 630,00 por mês ou R$ 21,00 por dia.

O valor, além de ser quase metade do gasto com o carro, é menos até do que os custos fixos do carro. Isto é, se o carro simplesmente ficasse na garagem, ainda seria mais caro que o valendo muito mais a pena usar o transporte por aplicativo.Vamos supor agora que em média você se locomova 30 km de carro por dia.

Com essa distância, e usando o mesmo carro de base, o gasto mensal com gasolina ficaria em R$ 360,00. Somados a esse preço temos os gastos estacionamento e pedágio, estimados em R$ 200,00, gastos com manutenção em R$ 150,00 e limpeza R$ 50.

Dessa forma, o gasto variável mensal seria de R$ 760,00. Somados custos variáveis e fixos, temos um total de R$ 1467,00 ou R$ 48,9 por dia. Fazendo o mesmo trajeto só com os carros de aplicativo, o custo diário ficaria, R$ 60,00 ou R$ 1800,00 por mês. Dessa maneira, pode-se ver que, quando são percorridas grandes distâncias ter um carro se torna mais vantajoso.

Leia também: “QUAL O MELHOR PARA O MEU COFRE DE EMERGÊNCIA: RDB DO NUBANK, CDB DO BANCO INTER OU NUCONTA?”

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: