APÓS PEDIDO DE DEMISSÃO DE SÉRGIO MORO MERCADO FINANCEIRO ACREDITA EM SAÍDA DE PAULO GUEDES

Ibovespa teve queda de 6,44% e 6 especialistas do mercado financeiro explicam possibilidade da saída do Ministro da Economia também

Na tarde da última quinta-feira, surgiram rumores de que o Ministro da Justiça, Sérgio Moro, teria pedido demissão. Especula-se que o motivo seria a exoneração de Maurício Valeixo, que ocupava a diretoria-geral da Polícia Federal por indicação do próprio Ministro, feita por Jair Bolsonaro.

Com o anúncio oficial da saída da Moro, o Ibovespa, maior índice da bolsa de valores brasileira, chegou a operar com queda de 6,44%. Além disso, o dólar passou a ser vendido a R$ 5,66, renovando sua máxima histórica.

A assessoria de Moro inicialmente negou que o pedido de demissão tenha sido feito e membros da equipe dele, afirmam que a agenda permaneceu a mesma. Entretanto, nesta manhã, Moro confirmou a saída em coletiva. O Ministro da Economia, Paulo Guedes desmarcou algumas agendas da tarde, o que preocupa o mercado financeiro.

Conflitos no governo:

Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura, comenta que a virada no mercado ontem já demonstrava que o governo estava com conflitos.

“O mercado aqui virou por um conjunto de medidas que podem indicar que os problemas políticos do governo estão aumentando”. Segundo Silveira, o mercado já reagia mal por conta da ausência do Ministro da Economia, Paulo Guedes, na divulgação do pacote de medidas econômicas.

“O mercado estava repercutindo mal a divulgação do plano Pró Brasil sem a participação do Paulo Guedes. Esse rumor, com a possibilidade de saída do Moro, aumentou o desconforto do mercado”, afirma.

Crise atual fez o governo se desfazer:

Fernando Bergallo, Diretor de Câmbio da FB Capital, afirma que o acontecido demonstra a forma que o governo tem se desfeito durante a crise atual.

“Estamos vendo um governo se desfazer em meio à uma situação gravíssima de política internacional”. Segundo Bergallo, a demissão do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no meio da pandemia já havia sido um problema para os investidores estrangeiros.

“A troca do Ministro da Saúde em plena pandemia, obviamente, já pegou muito mal para o investidor estrangeiro, e no momento em que o segundo pilar do governo, que é o Ministro da Justiça, que emprestou a credibilidade toda para o Bolsonaro sai do governo, você está perdendo outra perna desse tripé que não vai se sustentar sozinho”.

O Diretor de Câmbio pontua que já especulam a saída do Ministro da Economia, Paulo Guedes. “Já há rumores que o próximo a sair é o Paulo Guedes, a partir daí, acabou o governo”.

Mercado financeiro perde confiança no governo:

Para Guto Ferreira, Analista Político-Econômico isso reforça a necessidade de analisar mais a fundo as questões políticas. “Isso só reforça a opinião que nós temos um tempo, que não existe uma análise correta do financeiro sem análise da questão política”.

Ferreira ressalta que uma série de questões recentes têm abalado a confiança do mercado financeiro no governo.

“O mercado financeiro vem com muita desconfiança ao governo Bolsonaro por diversos motivos, para começar com a instabilidade do Presidente da república, passando pela falta de resultados do ministério da economia”.

Sobre a notícia da demissão de Moro, Ferreira afirma que pode desequilibrar o governo. Além disso, ele destaca que agora o mercado passa a tratar com seriedade o cenário econômico.

“A saída de Moro impacta tanto o mercado, pois ele é parte da grande trinca de estabilidade do governo, Moro, Guedes e Bolsonaro. Parece que o mercado passou a entender a real gravidade do cenário político, coisa que não era avaliada por outros especialistas”.

E o Paulo Guedes?

Jefferson Laatus, Estrategista-Chefe do Grupo Laatus aponta que esta expectativa gera no mercado também medo de uma possível demissão de Paulo Guedes, já que nos últimos tempos, o Ministro tem se envolvido menos.

“A demissão do Sérgio Moro é pesadíssima para o mercado como um todo. Mostra o desmonte do Ministério do governo Bolsonaro. Agora existe uma preocupação se o Guedes está mesmo tão engajado no Ministério, tanto que o Braga Netto lançou o pacote de medidas de recuperação econômica e o Guedes não estava nem presente, o ministro da economia não estava presente em um projeto econômico”, afirma.

Para Laatus, a participação de Braga Netto no governo pode ser um fator que coopera para os últimos acontecimentos.

“Desde a fritura do Onyx, que acabou saindo da casa civil, e o Braga assumiu, os ministros estão caindo. Veio a saída do Mandetta, agora o Moro com essa mudança na PF, se isso se confirmar, a perda de credibilidade do governo Bolsonaro é gigantesca, por isso o mercado acaba reagindo tão negativamente”, conclui.

Saída de Moro mostra o Brasil fraco:

Para Daniela Casabona, Sócia-Diretora da FB Wealth, a demissão de Moro mostra novamente o enfraquecimento do governo Bolsonaro e revela um país desorganizado.

“Com a saída de Moro, o governo mais uma vez se enfraquece e perde sua equipe de ‘ouro’, o enfraquecimento do presidente com os governantes é cada vez mais evidente e mostra um país totalmente desorganizado e sem consenso”.

Casabona ressalta que o mercado está reagindo mal pela atenção negativa que os conflitos têm atraído.

“O mercado está reagindo muito mal, pois em meio a um enfraquecimento global, como um todo, o país se destaca negativamente com os conflitos internos”, finaliza.

Ministro da Economia também pode deixar governo:

Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, comenta que Moro era um dos dois pilares que sustentavam o governo Bolsonaro, e que a possibilidade da saída de Guedes é praticamente palpável.

Dois pilares centrais sustentavam o governo. Sérgio Moro pela ética e apoio popular e Paulo Guedes pela confiança na retomada econômica. Um deste pilares não existe mais e pode ocasionar a queda do segundo”.

Gueratto pontua que a pandemia teve grandes impactos no plano econômico de Guedes e deve enfraquecer a base política para aprovação das reformas.

“O Ministro da Economia viu seu plano ir por água abaixo com o Coronavírus e agora pode ficar sem base política para a aprovação das reformas no Congresso”.

O Financista acredita que com isso, o ministro possa ficar desmotivado a seguir no cargo. “A governabilidade pode estar sendo perdida bem no meio da terceira guerra mundial e Paulo Guedes pode não enxergar mais motivos para ficar no cargo”, afirma.

Investi em IRBR3, PETR4, BPAC11 e WEGE3 no coronavírus?

Financista do Canal 1Bilhão,  Fabrizio Gueratto, investidor a quase 15 anos, abriu sua carteira de investimentos. E contou publicamente quais ações aproveitou para comprar meio a crise do novo coronavírus

Com a crise instaurada tanto na saúde como também no mercado financeiro, causada pelo novo coronavírus (covid-19). Portanto, não só a bolsa de valores brasileira, como também, por exemplo, as bolsas mundiais, com isso, passaram por derretimentos.

Com isso, o Ibovespa, principal índice da bolsa de valores do Brasil, se encontrou com queda que gira em torno dos 30%. Além de 6 circuit breakers seguidos.

Por outro lado, a crise, não afeta somente a renda variável, da mesma forma que chegou rapidamente no câmbio também. O dólar, por exemplo, a moeda mais forte do mundo, ultrapassou os R$ 5,20, sendo este o maior valor desde a criação do real. 

Com isso, muitas ações acabaram por sofrer uma grande e alta desvalorização, com seus valores cada vez mais baixos.

Isso pode acabar por ser uma grande oportunidade para investidores, onde é possível comprar excelentes papéis por valores mais baixos.

Mas, para outros, isso pode resultar em desespero, ao ver parte do patrimônio derreter junto ao Ibovespa. 

Pensando nisso, o Financista do Canal 1Bilhão,  Fabrizio Gueratto, investidor a quase 15 anos, abriu sua carteira de investimentos. E contou publicamente quais ações aproveitou para comprar meio a crise do novo coronavírus.

Gueratto alerta também sobre o preço das ações e o que é necessário olhar antes de aportar. Principalmente em um cenário incerto como esse que estamos vivenciamos atualmente.

Confira agora quais as 4 ações o Financista aproveitou os baixos valores para adquirir: 

BTG Pactual (BPAC11)

O banco de investimentos brasileiros, que comanda também o BTG Digital, foi a primeira compra realizada por Gueratto.

O BTG atua nos mercados de investment banking, wealth management e global asset management na América. Atualmente, o BTG é controlado por uma sociedade que contém mais de 150 executivos, que resultou da aquisição da UBS Pactual pela BTG Investments. 

IRB Brasil RE (IRBR3)

Foi a segunda compra em baixa do Financista. Antes, Fabrizio já continha parte de seu patrimônio alocado na empresa.

A IRB Brasil RE é líder de resseguros na América Latina. Está entre as 10 maiores resseguradoras do mundo. Com valor de mercado, equivalente a R$ 28 bilhões. Sendo também líder em 9 das 11 linha de negócio em que atua. 

WEG S.A (WEGE3)

Sendo essa uma empresa multinacional brasileira. Especializada em produção de máquina elétricas, componentes elétricos, produtos para automação industrial, transformadores de força e distribuição. Além disso, tintas líquidas e em pó. E por fim, vernizes eletroisolantes. 

Petrobras (PETR4)

Foi a última compra do Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira. A Petrobras por muitas vezes é a empresa de capital aberto mais indicada pelos analistas. Tem como principal acionista o Governo Federal do Brasil. 

“Portanto, é importante também ressaltar que essas empresas estão sim baratas e podem ser uma boa alternativa de compra.  Mas, não porque elas estão com o preço lá embaixo, que isso não pode cair ainda mais”, alerta Gueratto.

Mesmo estando com um valor considerado barato, ainda pode ficar mais. E do jeito que situação econômica está incerta, isso não seria algo muito difícil ou distante. 

Investir em ações no exterior é opção para crise do CORONAVÍRUS

Com o rápido avanço da pandemia causada pelo novo coronavírus (covid-19), a crise não se instaurou somente na área da saúde, como chegou fortemente também no mercado financeiro, fazendo com que as economias mundiais sentissem o impacto, não só do vírus, mas também da quarentena adotada por muitos países, na intenção de o contágio ocorrer de forma mais lenta. 

Sendo assim, a bolsa de valores brasileira não ficou para trás quando se trata dos impactos negativos. Com uma queda de cerca de 30% e diversos circuit breakers seguidos, os investidores se preocuparam e passaram então a procurar outras alternativas de investimentos, principalmente quando se trata de mais segurança.

Dessa forma, se mostrou cada vez uma melhor alternativa as bolsas de valores dos Estados Unidos, como Nasdaq e NYSE, onde é possível investir em ações das marcas mais valiosas disponíveis no mercado.

Mas, para grande parte dos brasileiros, investir em ações no exterior ainda parecia algo um tanto distante da realidade, seja por acharem que isso seria algo ilegal, por dificuldade, por não falar a língua local ou até por acharem que para isso era necessário um grande montante de dinheiro.

Investir em ações

Pensando nisso, um grupo de brasileiros abriu uma corretora nos Estados Unidos, visando atender essa parte dos brasileiros que sentiam vontade de investir fora do país, principalmente em momentos de crise, como este que vivenciamos agora.

A Avenue Securities se denomina como a corretora para brasileiros nos EUA e promete que o cadastro, caso tudo esteja correto, seja aprovado em até 48 horas. Com isso, o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, testou a corretora e ainda explicou sobre as taxas e a importância de também ter parte do patrimônio investido no exterior.

Por que investir em ações nos Estados Unidos?

“Muitos investidores perguntam qual a importância de alocar o dinheiro nos EUA, e é importante ressaltar que é a economia sólida do mundo, além disso, mais da metade das marcas mais valiosas do mundo estão lá e o S&P 500, só em 2019, bateu recordes atrás de recordes. É importante ressaltar também que o Presidente Donald Trump foi capaz de deixar o país com a menor taxa de desemprego e o dólar acaba por ser o ativo mais valioso e o mundo todo acaba correndo para ativos do governo americano quando o bicho pega. Por esses motivos e muitos outros, é importante considerar ter um pedaço do patrimônio em ações americanas”, explica o Financista Fabrizio Gueratto.

Como abrir uma conta na Avenue, ou seja, fora do país?

Gueratto explica que isso é muito simples, basta entrar no site e preencher os dados, além de mandar uma cópia do documento e comprovante de residência.

“Depois desse cadastro, que demora, no máximo, 2 minutos, é só aguardar, que em até 2 dias eles dão o retorno sobre a aprovação da abertura”.

Quais bolsas de valores estão disponíveis para investir?

“Simplesmente as duas maiores do mundo. Como a Nasdaq, que contém 2.500 ações, onde é possível investir na Apple, Facebook, Yahoo!, Starbucks, entre muitas outras. Já na NYSE, que é a maior bolsa do mundo, é possível comprar ações da AIG, Coca-Cola, Bank Of America”.

Preciso pagar imposto?

Através de um formulário muito simples, chamado de W8, ocorre a isenção do pagamento de imposto. Essa isenção ocorre em relação ao imposto que é cobrado sobre o lucro do investimento em ações. “Porém, dividendos são taxados, já que o governo americano precisa também ganhar”.

Já no Brasil, é necessário declarar todos os investimentos para a Receita Federal, até aqueles investimentos em que se é isento de pagar imposto. “Por exemplo, vamos supor que ocorreu uma valorização nas ações da Apple e é necessário trazer esse lucro para o Brasil de volta, até R$ 35 mil ocorre a isenção do Imposto de Renda. Caso o valor seja maior, é necessário pagar 15%”.

Qual a taxa de corretagem da Avenue?

Até US$ 1 mil a taxa de corretagem é de US$ 2,50. Acima disso, ou seja, US$ 1.000,01 e US$ 2 mil a corretagem é de US$ 5. Acima de US$ 2.000,01 a taxa por operação é de US$ 10.

https://youtu.be/xfXFPQOM8ow

Conheça a Avenue Securities e comece a investir na economia mais sólida do mundo clicando aqui.

Leia também: “Quais as melhores ações para 2020: EZTC3; EMAE4; GRND3; TRPL4 ou SULA11?”.

Como investir em 70 ações com R$ 100?

Com a bolsa de valores (B3) em alta, o número de investidores que querem entrar no investimento em ações da moda aumenta a cada dia. De 2018 para 2019 este número dobrou, passando de 813 mil investidores pessoas físicas para quase 2 milhões.

“A educação financeira promovida pela imprensa e demais influenciadores com certeza ajuda, mas o principal motivo que atrai é a chance de ter uma alta rentabilidade rapidamente. Se o Ibovespa cair por 3 anos seguidos, milhares de pessoas deixarão de investir”, afirma Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira.

Por isso, uma boa forma para quem quer começar a investir pode ser um ETF (Exchange Trade Funds) ou Fundo de Índices, que nada mais é do que um fundo de investimento que investe exatamente nas ações que compõe o Ibovespa. “Desta maneira o investir consegue acessar mais de 70 empresas, com pouco mais de R$ 100,00 e verificar o quanto está disposto a correr risco”, ressalta.

Começar investir em ações

Um investidor iniciante colocar diretamente em ações pode ser muito mais arriscado. Em primeiro lugar, pois talvez ele não tenha dinheiro suficiente para comprar diversas ações e fazer uma diversificação.

Muito provavelmente este investidor também teria grande dificuldade de escolher boas empresas e saber qual o percentual colocar em cada uma delas. Além disso, dependendo do valor, a taxa de corretagem cobrada pela maioria das corretoras impactaria na rentabilidade.

“Esses são apenas alguns dos problemas. Além disso, ele poderia ter o azar de ter sorte. Alocar em uma ação que valorizaria muito rapidamente e achar que é um gênio dos investimentos. Ou poderia acontecer o contrário. Colocar grande parte dos recursos em uma ação que poderia despencar em 3 meses, por exemplo e ele achar que a bolsa de valores não é para ele. Com um ETF essa volatilidade tende a ser menor”.

Algumas gestoras oferecem ETFs. A mais famosa dela, a Black Rock é responsável pelo BOVA11. Somente este ETF é responsável por 83% de todo o volume financeiro deste tipo de investimento na B3. Como todo fundo, o ETF também cobra uma taxa de administração, porém, considerada baixa para um fundo que investe em ações.

O BOVA11, por exemplo, cobra 0,30% ao ano, percentual comparável aos fundos de renda fixa. O BOVA 11 possui grande liquidez, ou seja, é possível ser comprado ou vendido rapidamente. Para conseguir acessá-lo, basta abrir uma conta em uma corretora de valores. Hoje, praticamente todas as corretoras oferecem este investimento. Em 2019, o BOVA11 rendeu 31,38%.

Risco

Apesar de ser um produto interessante para o investidor iniciante, o ETF (BOVA11) pode não ser aconselhável para o investidor mais experiente. Isso porque como ele investe em mais de 70 ações que compõe o Ibovespa, dentro deste portfólio podem ter empresas ruins e que continuarão na carteira independente das notícias e perspectivas.

Por exemplo, a Petrobras (PETR4), no meio do furacão da Lava-Jato continuou no ETF, enquanto que alguns fundos de ações (FIA) se desfizeram da ação e recompraram na baixa. O ETF acaba sendo um fundo engessado, sem gestão ativa. Hoje, as principais ações que compõe o BOVA11 são:

  • Vale (VALE3) – 8,09%
  • Itaú (ITUB4) – 7,85%
  • Petrobras (PETR4) – 6,43%
  • Banco Bradesco (BBDC4) – 6,42%
  • B3 (B3SA3) – 4,86%
  • Petrobras (PETR3) – 4,22%
https://youtu.be/18TW-1wmXEo

Leia também: “CORONAVÍRUS: POR QUE É HORA DE COMPRAR CENTAURO, BB SEGURIDADE E ITAÚSA? “.

Auxílio Coronavírus: Como fazer reserva de emergência usando R$ 600 na Nuconta?

Com o avanço do novo coronavírus (covid-19) diversos países decretaram como aberto o período de quarentena, com isso, trabalhadores informais, autônomos ou aqueles que dependiam do comércio, entre muitos outros, se viram sem suas rendas, o que preocupou, não só a população, como também o governo. Dessa maneira, se viu necessário fazer o “coronavoucher”, ou seja, um auxílio para que as famílias conseguissem sobreviver no meio da crise causada pelo covid-19. O valor será de R$ 600, onde até duas pessoas da mesma família podem receber, portanto, somando R$ 1.200 por família. Porém, mas que sejam solos, receberão integralmente os R$ 1.200. O auxílio recebido pelas famílias brasileiras, servirá como base para quem pode guardar o dinheiro e gostaria de iniciar sua reserva de emergência utilizando a Nuconta.

Nuconta do Nubank

Pensando nisso, o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, explicou e tirou as principais dúvidas sobre o benefício. Além disso, obteve grande parte das informações com a conta de pagamento Nuconta do Nubank, o famoso e queridinho por muitos, roxinho. 

Quem tem direito a receber?

Trabalhadores informais, desde que não estejam recebendo outro benefício do governo, como por exemplo INSS, aposentadoria, entre outros; 

“É importante também ressaltar que pessoas com registro CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) que não estão recebendo ou que foram demitidas da empresa acabam por não se enquadrar e dessa maneira não são aptas para receber o benefício do governo”, explica o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira. 

Todos os trabalhadores informais da mesma casa podem receber?

“Por exemplo, se você mora em 5 pessoas na sua casa e todos são trabalhadores informais, isso significa que todos têm direito ao coronavoucher? Não, somente 2 pessoas por família poderão receber o benefício”, diz. Já em relação ao Bolsa Família, Gueratto comenta que a única exceção desta lei é em relação ao Bolsa Família. “Uma das pessoas dessa casa poderá optar por receber o Bolsa Família ou a ajuda de R$ 600”. 

Então é só ser informal que já tem o direito de receber?

“Não é bem assim, é necessário ser MEI (Microempreendedor Individual) ou estar no Cadastro Único ou então ser contribuinte do INSS. O governo quer que isso não vire bagunça, por exemplo, pessoas que não tem direito ou que não necessitem do benefício acabem recebendo. Mas, na prática, acredito que será muito complicado ter esse controle tão minucioso”, dispara o Financista Fabrizio Gueratto. 

Quantas pessoas terão direito ao benefício?

Serão 30 milhões de pessoas ajudadas através do “coronavoucher”. 

Como receber R$ 1.200 por mês?

A princípio o governo pagará o benefício por 3 meses. “Por exemplo, se você receber esse mês e no próximo arrumar um emprego, automaticamente você perderá o benefício”, explica. As mães solteiras, ou seja, que criam seus filhos sozinhas, terão direito a R$ 1.200 por mês por 3 meses. 

Como dar entrada?

Caso o governo consiga se organizar, espera-se que os pagamentos tenham como inicio o dia 16 de abril e serão feitos por bancos públicos, como Banco da Amazônia, Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Lotérica, Agência dos Correios, ou seja, o governo está usando toda a estrutura para agilizar o recebimento. Para receber é necessário acessar o site www.cidadania.gov.br e ver se você já possui cadastro ou então, é possível também ligar para 0800 7072003 ou existe a opção do Cadastro Único também, disponível nas lojas de smartphones.

https://youtu.be/l_4xkEr0ZoM

Leia também: “CDB com liquidez diária que rende 104% do CDI “.

CORONAVÍRUS: POR QUE É HORA DE COMPRAR CENTAURO, BB SEGURIDADE E ITAÚSA?

O novo coronavírus (covid-19) vem causando, não somente uma crise na saúde, mas também no mercado financeiro e na economia de diversos países. Com isso, o impacto na Bolsa de Valores vem sendo recorrente, onde o principal índice da Bolsa de Valores brasileira, o Ibovespa, saiu do seu patamar, que se encontrava acima dos 100 mil pontos, para perto dos 60 mil pontos, tudo isso em menos de 1 mês. Além disso, a Bolsa de Valores acionou também 6 vezes o circuit breaker, mecanismo que auxilia a B3 quando  mesma se encontra em quedas muito recorrentes em um curto espaço de tempo. Mas, não é só o Ibovespa que vem sentindo os impactos da pandemia, que já colocou diversos países em quarentena. O dólar atingiu também sua máxima histórica, desde a criação do real, chegando a ser cotado próximo dos R$ 5,20. 

“Para entender quais ações estão no radar dos investidores que enxergam esse momento como uma “liquidação”, o Financista do convidou o empresário e youtuber goiano, Raul Sena, para contar quais ações está olhando”

O novo coronavírus (covid-19) vem preocupando e causando pânico em diversos países do globo terrestre. Além da crise na saúde, a crise nos mercados financeiros vem também se instaurando. No Brasil, o principal índice da Bolsa de Valores, o Ibovespa, vem atingindo diversas quedas, saindo do patamar acima dos 100 mil pontos e atingindo os 60 mil pontos.

Com isso, o novo coronavírus vem assustando muitos investidores, principalmente aqueles que entraram na renda variável em um momento de grandes altas e valorizações, como acontecia a algumas semanas atrás, o chamado bull market. Portanto, os novatos, principalmente na Bolsa de Valores, se preocupam com o atual momento e se perguntam se é hora de tirar o dinheiro das ações, por uma questão de segurança.

Mas, mesmo em meio ao caos, existem também os investidores totalmente inversos aos novatos. Investidores, normalmente, mais experientes ou que visam mais o longo prazo, acabam por ver esse momento como uma oportunidade para aportar ainda mais na Bolsa de Valores, seja do Brasil ou do exterior também, como dos EUA, por exemplo.

É hora de investir em ações?

Para entender melhor sobre o atual momento, além de quais ações estão no radar dos investidores que enxergam esse momento como uma “liquidação” de ações, o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, convidou o empresário e youtuber goiano, Raul Sena, para uma série de dois vídeos. Raul é Diretor de Novos Negócios da WTF Maison e Fundador do Canal de YouTube Investidor Sardinha.

Para começar, o Financista Fabrizio Gueratto, questiona Raul sobre o que ele, como investidor, está fazendo nesse momento de crise. “Atualmente, estou só comprando. Até agora não vendi nada. Na minha carteira eu tenho bastante Itaúsa (ITASA4), Wiz Soluções (WIZS3), Sinqia (SQIA3), Weg (WEGE3), Engie (EGIE3), sendo essa última uma das minhas maiores exposições, além de Centauro (CNTO3), que foi um ativo que eu comprei bastante nessa crise, aproveitando essa queda. Sendo que em CNTO3, eu entrei com R$ 25 mil e agora eles já se transformaram em R$ 12 mil. Eu tenho Centauro, principalmente por conta da parceria com a Nike, pois eu conversei também com muitas pessoas que trabalham na empresa. Eu faço muito isso, procuro principalmente no canal, pessoas que trabalham em locais que estou pensando em investir e bato um papo, eu chego até a ligar para o funcionário de determinada empresa”, comenta Sena sobre sua estratégia.

Por que ele comprou ações da XP Investimentos?

“Raul, agora me conta, por que você comprou ações da XP Investimentos (XP)?”, questiona o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira. O Diretor de Novos Negócios explica que no Brasil, hoje, a XP tem em seu time as corretoras mais relevantes do país, como a Clear, Rico, além da própria XP. “Quando a gente produz um conteúdo de educação financeira, indiretamente, estamos levando clientes para alguma corretora do grupo XP, e investir na XP foi a maneira que eu achei de ganhar dinheiro com eles”, brinca o Fundador do Canal Investidor Sardinha.

O que comprar no meio da crise do covid-19?

Já quando questionado quais as demais empresas que também aproveitou para adquirir ações em meio à crise causada pelo novo coronavírus, Raul Sena explica que comprou Santos Brasil (STBP3). “Já em relação a proteção, hoje o meu hedge consiste bastante em ouro, pois eu acredito muito em reserva de valor. Eu tenho título de ouro tanto no Brasil quanto no exterior. Além de um pouco de Tesouro Direto, já que eu compro bastante Tesouro Direto e guardo a minha reserva de oportunidade nele também. Além disso, eu tenho também, de forma bem zoada, um dinheiro em conta de banco, para usar esse dinheiro na hora que eu vejo uma ação num bom valor, com isso, aproveito para comprar”.

“Antes de acabar a nossa entrevista, eu quero saber o que você está olhando para investir meio ao caos do covid-19”, dispara Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira. “Eu estou olhando bastante para aumentar a minha posição em BB Seguridade (BBSE3) e Wiz Soluções (WIZS3). No caso da BBSE3, acredito que faça sentindo nesse momento e WIZS3, ela despencou bastante”, diz Raul Sena, Diretor de Novos Negócios na WTF Maison e Fundador do Canal Investidor Sardinha. 

O novo coronavírus (covid-19) vem causando, não somente uma crise na saúde, mas também no mercado financeiro e na economia de diversos países. Com isso, o impacto na Bolsa de Valores vem sendo recorrente, onde o principal índice da Bolsa de Valores brasileira, o Ibovespa, saiu do seu patamar, que se encontrava acima dos 100 mil pontos, para perto dos 60 mil pontos, tudo isso em menos de 1 mês. Além disso, a Bolsa de Valores acionou também 6 vezes o circuit breaker, mecanismo que auxilia a B3 quando  mesma se encontra em quedas muito recorrentes em um curto espaço de tempo. Mas, não é só o Ibovespa que vem sentindo os impactos da pandemia, que já colocou diversos países em quarentena. O dólar atingiu também sua máxima histórica, desde a criação do real, chegando a ser cotado próximo dos R$ 5,20. 

Investidor Sardinha:

Pensando em acalmar os investidores, principalmente aqueles que entraram no bull market da Bolsa de Valores e só pegaram a parte boa, ou seja, a grande valorização de grande parte das ações, o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, convidou o Diretor de Novos Negócios da WTF Maison e Fundador do Canal Investidor Sardinha, Raul Sena, para uma série de dois vídeos. O primeiro vídeo com Raul, que já foi publicado pelo canal, o Diretor de Novos Negócios contou quais ações está de olho e podem ser uma boa opção nesse momento de crise e alta volatilidade. Dentre as ações que Sena disse estar de olho ou já investindo, estão: Itaúsa (ITSA4), Centauro (CNTO3), Sinqia (SQIA3), entre muitas outras.

Quais ações NÃO investir na crise coronavírus?

Após explicar os papéis que podem ser boas alternativas nesse momento, o Fundador do Investidor Sardinha listou 10 ações que não pretende investir durante a crise causada pelo novo coronavírus (covid-19). 

Dentre elas, estão presentes: Smiles (SMLS3), CVC (CVCB3), Gol (GOLL4), Azul (AZUL4) e as demais ligadas ao setor aéreo ou turismo. “O setor da aviação já é arriscado e volátil por si só, nesse momento está ainda pior. Além disso, o setor de turismo vem sofrendo grandes consequências com a crise causada pelo covid-19 também”, explica Raul Sena. 

Além das ações ligadas ao turismo e aviação, o Diretor de Novos Negócios da WTF Maison, adicionou também a sua lista de empresas para não investir nesse momento, o Banco Inter (BIDI4), Oi (OIBR3 e OIBR4), Petrobras (PETR3 e PETR4), Vale (VALE3), Via Varejo (VVAR3) e Magazine Luiza ou popularmente chamada de Magalu (MGLU3). “Eu considero esses papeis como alternativas ruins no momento que estamos passando. Alguns por ter um lucro muito baixo ou uma dívida muito alta. Outros por já ter ocorrido uma mega valorização e outros por não acreditar no setor, como ocorre em estatal e varejo, por exemplo”, dispara o Diretor de Novos Negócios da WTF Maison e Fundador do Canal Investidor Sardinha, Raul Sena.

https://youtu.be/tmvRJwfSYrE

Leia também: ” Debênture e CDB: Renda fixa ainda precisa estar entre os investimentos”.

Debênture e CDB: Renda fixa ainda precisa estar entre os investimentos

CBD com liquidez diária, Debênture e outras renda fixa são importantes na diversificação dos investimentos e planejamento . Renda fixa é muito procurado por quem quer estabilidade e segurança em seus investimentos. Sua rentabilidade não é tão alta quanto investimentos da renda variável, mas ele também é muito importante de ter na carteira de investimentos, mesmo em momentos de crise financeira mundial.

Debêntures

O Financista Fabrizio Gueratto do Canal 1Bilhão Educação Financeira, entrevistou a planejadora financeira Daniela Casabona, da FB Wealth que explicou a importância de ter esse tipo de investimento na carteira: “A renda fixa faz sim parte da diversificação dos investimentos. Se amanhã a taxa de juros subir e você não estiver com esse investimento feito, você deixará de ganhar. A reserva de emergência, que equivale ao custo de vida durante um período a ser usado em caso de necessidade, deve contemplar pelo menos 12 meses do custo de vida e deve estar alocada na renda fixa. A Renda fixa tem seu papel importante, até quando é necessário equilibrar a carteira”.

Como usar a renda fixa dentro da carteira de investimentos?

Além de alocar os investimentos em renda variável, dependendo do perfil do investidor, é indicado ter na carteira investimentos pertencentes a renda fixa, que terão uma boa lucratividade segundo Daniela Casabona: “Debêntures são investimentos em renda fixa atraentes. A Debênture incentivada é uma dívida de uma empresa, e é um investimento livre de imposto. Esse investimento possui taxas muito boas com IPCA+5%, sendo ativos muito seguros, e com boa rentabilidade perto de outros investimentos da renda fixa.”

É seguro ter uma carteira planejada e que contemple o perfil do investidor. Daniela destaca também a importância da diversificação, tendo renda fixa na carteira de investimentos: “A renda variável é uma diversificação na sua carteira. Você não pode estar 100% na renda variável, sem deixar nenhum investimento em renda fixa. Em um momento de crise e oscilações, a sua renda fixa servirá para equilibrar a carteira e não deixar a carteira ficar negativa, reduzindo perdas”.

Devo sair da renda fixa e investir na renda variável neste momento?

A planejadora financeira destaca: “Tirar todo dinheiro da renda fixa não é uma boa opção para uma carteira bem planejada. Porém, é hora de aumentar as posições e aumentar a renda variável.”

https://youtu.be/6w7lYv-5nyE

Leia também: “CDB com liquidez diária que rende 104% do CDI “.

CDB com liquidez diária que rende 104% do CDI

O Banco RCI Brasil oferece um dos CDB ‘s mais rentáveis do mercado financeiro, ideal para reserva de emergência e rebalanceamento da carteira de investimentos.

O mundo passa por tempos bastante difíceis e todos brasileiros, assim como grande parte da população mundial, estão preocupados com o que vai acontecer, devido à crise econômica e de saúde, causada pelo novo coronavírus (covid-19).

O caos instaurado devido a pandemia, fez com quem a Taxa Básica de Juros (Selic) reduzisse para 3,75% ao ano, menor patamar desde sua criação.

Boas oportunidades na crise coronavírus:

Com isso, dentre as perguntas mais recorrentes, principalmente entre os investidores, é se ainda vale a pena investir na renda fixa, ou então, como fica a reserva de emergência com a taxa tão baixa. Segundo o Financista Fabrizio Gueratto do Canal 1Bilhão Educação Financeira, durante as crises, boas oportunidades aparecem:

“Enquanto alguns choram, outros estão vendendo lenço. Portanto, em crises também é possível achar uma saída e em alguns casos, uma excelente saída”.

Como investir em renda fixa com a Selic na baixa histórica?

A renda fixa, independente da Selic baixa, continua tendo sua importância para alocar investimentos ligados à reserva de emergência, por exemplo. Com isso, uma grande oportunidade surgiu em uma instituição financeira que é sólida e Triple A (AAA) pela agência Moody’s, eles trouxeram para seus investidores uma das melhores rentabilidades do momento, ligadas a renda fixa e com liquidez diária.

A iniciativa surgiu do Banco RCI Brasil, que é o braço financeiro das montadoras Renault e Nissan, por tanto trata-se de uma instituição segura e confiável, principalmente por ter duas grandes empresas por trás. Além disso, o produto possui a segurança do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), que irá proteger até R$ 250 mil do dinheiro investido.

Rebalanceamento da carteira de renda variável:

Com a crise financeira que estamos passando, além do interesse em alocar a reserva de emergência, existe outro motivo para procurar investimentos com liquidez diária, neste caso, o rebalanceamento da carteira de investimentos, principalmente os investimentos de renda variável, como ações e fundos imobiliários, que durante a crise causada pelo coronavírus, estão sofrendo grandes volatilidades, mas, mesmo com isso, pode ser um bom momento de se aportar, já que os valores estão baixos.

Neste momento, entra a importância da reserva de oportunidade e rebalanceamento. “A nossa carteira de investimentos nunca fica estática. Você monta uma carteira dos investimentos em ações e depois faz pequenos ajustes destes investimentos.

Por exemplo, as ações caíram recentemente, e possivelmente irão cair ainda mais. Caso você queira investir em ações, mas ainda não queira entrar imediatamente porque não está confiante com as atuais instabilidades do mercado, é interessante deixar esse dinheiro em um CDB com liquidez diária. Por que fazer isso? Porque assim que que houver uma boa oportunidade de investimento, você pode resgatar o dinheiro e alocar no novo ativo da renda variável ou fundos de investimentos”.

Banco RCI Brasil:

Em comparação com investimentos mais conservadores, como por exemplo, os indexados ao CDI, o Tesouro Selic e a Poupança os rendimentos do CDB com liquidez diária e rendimento de 104% do CDI do Banco RCI Brasil se mostram como a melhor opção. Veja as contas a seguir:

CDB do Banco RCI Brasil

  • Investindo R$ 1.000,00 em 1 ano
  • 104% do CDI
  • 3,22%
  • Total: R$ 1.032,00

  • Investindo R$ 10.000,00 em 1 ano
  • 104% do CDI
  • 3,22%
  • Total: R$ 10.322,00

  • Investindo R$ 50.000,00 em 1 ano
  • 104% do CDI
  • 3,22%
  • Total: R$ 51.610,00

100% do CDI

  • Investindo R$ 1.000,00 em 1 ano
  • 3,09%
  • Total: R$ 1.031,00

  • Investindo R$ 10.000,00 em 1 ano
  • 3,09%
  • Total: R$ 10.309,00

  • Investindo R$ 50.000,00 em 1 ano
  • 3,09%
  • Total: R$ 51.545,00

Tesouro Direto Selic

  • Investindo R$ 1.000,00 em 1 ano
  • 2,86%
  • Total: R$ 1.029,00

  • Investindo R$ 10.000,00 em 1 ano
  • 2,86%
  • Total: R$ 10.286,00

  • Investindo R$ 50.000,00 em 1 ano
  • 2,86%
  • Total: R$ 51.430,00

Poupança

  • Investindo R$ 1.000,00 em 1 ano
  • 2,63%
  • Total: R$ 1.026,00

  • Investindo R$ 10.000,00 em 1 ano
  • 2,63%
  • Total: R$ 10.263,00

  • Investindo R$ 50.000,00 em 1 ano
  • 2,63%
  • Total: R$ 51.313,00

Investimento mínimo para investir no CDB que rende 104% do CDI:

Além de ter boa rentabilidade, o CDB do Banco RCI Brasil é uma renda fixa acessível para muitas pessoas. Com apenas R$ 100,00, sem taxas e tarifas, já é possível começar a investir no CDB que rende 104% do CDI. O processo para abrir uma conta é feito 100% online, através do aplicativo, que é rápido e simples de usar, além de fazer a gestão dos investimentos.

https://youtu.be/eGIkXvnZF1E

Conheça o Banco RCI Brasil clicando aqui.

Leia também: “MITOS E VERDADES sobre passagens aéreas MAIS BARATAS em vôos NACIONAIS E INTERNACIONAIS! “.

CORONAVÍRUS – É hora de INVESTIR nas AÇÕES da VIA VAREJO (VVAR3), ITAÚ (ITUB4), PETROBRAS (PETR4)?

O novo coronavírus, conhecido também como covid-19, vem fazendo com que muitos países tomem providências para que o vírus não se espalhe e se torne uma pandemia ainda maior. No total, o novo coronavírus já matou cerca de 5 mil pessoas em todo o mundo, isso somente em 3 meses, desde que foi descoberto. O covid-19 teve seu início na China, no final de 2019, onde fez, não só o país, mas também todo o mundo se posicionar em alerta. Como o surto do vírus teve seu início na China, foi constatado que o mesmo atingiu pessoas em um mercado de frutos do mar e também animais marinhos, onde foi passado de animais para os seres humanos. Mas, mesmo assim, ainda não se sabe exatamente como se deu a primeira transmissão para humanos, mas existem suspeitas que isso aconteceu a partir de cobras ou morcegos.

Centro da pandemia:

O vírus passou a se espalhar muito rapidamente quando os próprios moradores ou visitantes da China começaram a viajar para outros países, fazendo o covid-19 se espalhar rapidamente. Como por exemplo países da Europa, onde hoje, já é considerada o centro da pandemia. A Itália é o país mais afetado pelo novo coronavírus, onde o número de mortos pelo surto já ultrapassa os 1.200. Isso se dá principalmente pela população mais idosa, considerada de risco para o covid-19. Lá, somente em um dia ocorreu um aumento de 25% no número de vítimas. Com isso, os Estados Unidos e Brasil passaram também a ter seus primeiros casos e já ficaram em situação de alerta e muitas empresas passaram também a liberar os funcionários para home office, visando não disseminar ainda mais o vírus.

Mercado financeiro:

Com isso, o mercado financeiro também entra em preocupação. A economia de muitos países passou a oscilar fortemente e as bolsas locais se encontraram em grandes quedas. No Brasil, por exemplo, a B3, bolsa de valores brasileira, já acionou 5 circuit breakers desde que a pandemia chegou até o país. Se viu necessário acionar o circuit breaker tantas vezes por uma questão de forte queda do principal índice da bolsa de valores brasileira, o Ibovespa. O índice apontou que a B3 chegou a abrir com queda de 12% somente em um dia. Número considerado extremamente alto, principalmente ao levar em conta os recordes que a bolsa de valores brasileira vinha conquistando, como por exemplo os 100 mil pontos.

Rafael Bevilacqua:

Com a bolsa de valores caindo cada vez mais, existem diversos investidores que pensam em tirar o montante da renda variável e buscar ainda mais segurança. Mas, existem também aqueles que enxergam o momento com oportunidade para se aportar ainda mais, aproveitando o baixo valor de diversas ações. Para entender melhor como investir em um cenário incerto como este do novo coronavírus que está impactando fortemente o mercado financeiro, o Estrategista-Chefe da Levante Ideias de Investimento, Rafael Bevilacqua, contou para o Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, Fabrizio Gueratto, quais ações e/ou setores podem ser uma boa alternativa para se investir nesse momento de derretimento dos mercados do mundo todo.

Confira quais ações é importante ter na carteira em meio ao cenário incerto instaurado pelo novo coronavírus:

https://youtu.be/BOd7OfwSZxs

Leia também: “Coronavírus e Circuit Breaker – IRB Brasil pode ser opção para investir”.

Coronavírus e Circuit Breaker – IRB Brasil pode ser opção para investir

Nos últimos meses a empresa de capital aberto IRB Brasil esteve envolvida em uma série de escândalos que vão desde contestação dos financeiros até mesmo uma mentira por parte da própria empresa ao afirmar que o mega investidor Warren Buffet estaria triplicando seus investimentos na empresa. Todos estes fatos fizeram com que as ações despencassem mais de 50%.

Investindo:

O Financista Fabrizio Gueratto explica porque investiu agora nas ações de IRBR3.

1) Fundamentos:

A IRB Brasil recomprou mais de 7 milhões de ações ordinárias com um investimento total de R$ 246 milhões realizadas durante 3 pregões. Mesmo para uma empresa bilionária, tirar dinheiro do caixa e investir uma quantia significativa demonstra compromisso com os investidores. Estão colocando ainda mais a pele no jogo (skin the game). Além disso, apesar das desconfianças em relação ao balanço, a empresa não deixou de ter bons fundamentos. Continua na lista das 10 maiores resseguradoras do mundo. É crescente a sua distribuição de dividendos. Em 2019 esteve entre as 30 maiores pagadoras de dividendos da B3 logo atrás da Petrobras.

2) Preço:

Uma ação barata ou cara é relativo. Uma ação pode ter caído muito, por exemplo, por estar em um setor em que a competitividade aumentou significativamente e as margens de lucro caíram, como por exemplo o segmento de cartão de crédito. No caso da IRB (IRBR3) foi um problema pontual, de contestação dos números apresentados pela gestora Squadra e informação falsa de que o Warren Buffet estaria triplicando a sua posição na empresa. O preço caiu por uma crise confiança e não porque o setor ou a empresa em si estão afundando. Portanto, neste caso, podemos dizer que o preço está barato, o que não garante que não possa cair mais.

3) Pós crise:

Todas as vezes que uma empresa passa por uma grande crise, principalmente companhias de capital aberto, obrigatoriamente elas precisam fazer grandes mudanças. Novos executivos são contratados, a governança fica mais rígida e os grandes investidores e auditorias olham mais de perto. Foi exatamente o que aconteceu com a Petrobras depois da operação lava-jato e o que está acontecendo agora com a IRB Brasil.

4) Recomendação de compra:

Apesar de algumas corretoras, como Guide e Rico retirarem a recomendação de compra para IRB3, por não confiarem mais na empresa, a maioria das casas de análises e bancos não retiraram a recomendação de suas carteiras. Principalmente pelo fato de que os principais acionistas são o Bradesco Seguros e Itaú Unibanco.

5) Monopólio/Líder de mercado:

A empresa fundada em 1939 teve monopólio do mercado até 2007, quando por meio da lei complementar 126 acabou a exclusividade e abriu o mercado. Mesmo assim a IRB Brasil continua líder isolada de mercado e cresceu o seu share de 31% em 2014 para 37% em 2019. É uma empresa que soube se reinventar e aproveitar os recursos do IPO mesmo após ter perdido o seu monopólio no mercado brasileiro. Um setor que deve impulsionar ainda mais o crescimento é o agronegócio. O governo federal aumentou o subsídio para compra de seguro rural de R$ 371 milhões em 2019 para R$ 1 bilhão em 2020. O seguro indenizar o produtor caso ocorra uma queda nos preços ou problemas climáticos.

https://youtu.be/B9xwaJATURA

Leia também: “5 LIÇÕES DO CIRCUIT BREAKER por causa do CORONAVÍRUS”.