Influenciadores popularizam educação financeira em um país com mais de 60 milhões de endividados

Educação financeira é um tema abordado ainda com dificuldade, já que nem todos têm acesso desde cedo e em muito acaba-se complicando o assunto, que pode ser tratado com leveza. Recentemente, uma pesquisa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (ANBIMA), indicou que cerca de 40% dos brasileiros não conseguem poupar dinheiro mensalmente.

Ou seja, demonstrando a grande necessidade do brasileiro de se educar financeiramente. Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), revela que pelo menos 45% dos brasileiros admite não controlar o próprio orçamento, além disso, aponta que apenas 34% dos entrevistados tiveram acesso a assuntos relacionados a finanças pessoais desde a infância.

Atualmente existem diversas formas de buscar pelo tema, um levantamento feito pela empresa de inteligência Ilumeo revela que 72% dos entrevistados acessam online informações sobre educação financeira. O NerdCash, por exemplo, podcast do Jovem Nerd em parceria com a corretora Nova Futura Investimentos acumulou, em um único episódio, 600 mil downloads e cerca de 5 milhões na soma de todos os programas já lançados.

Para Vinícius Fuzikawa, Especialista em Investimentos e Coordenador de Conteúdo da corretora, o sucesso e a popularização do tema, em muito se deve à linguagem de fácil compreensão usada no podcast pelos influenciadores.

“Um fator crucial para esse aumento repentino, tanto do tema, quanto do NerdCash, foi o surgimento de influenciadores digitais e outras corretoras que começaram a falar sobre o assunto de uma forma simples e descontraída, facilitando para quem não tinha acesso até então”. Fuzikawa comenta que a parceria, de mais de 1 ano, já pôde abordar desde questões mais simples até as mais específicas.

“Há mais de 1 ano, o NerdCash, que conta com 50 mil downloads diários, começou a atuar na educação financeira, nesse tempo, vários temas já foram abordados, desde como investir para os filhos, realizar sonhos, até temas mais complexos, como derivativos, fundos e operações Day Trade”, afirma.

O Coordenador de Conteúdo ressalta que a popularização se deve muito ao baixo rendimento das aplicações, o que facilita para o investidor iniciante.

“Uma parte da população tem buscado se informar mais sobre educação financeira e investimentos, um dos motivos foi o baixo valor nas aplicações e agora, a redução da taxa básica de juros, diminuindo o retorno nas aplicações de renda fixa, também auxiliou para aumentar a atratividade”.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: