Oi prorroga acordo com BTG por fibra óptica; conselho quer remuneração retroativa

O acordo visa dar celeridade aos trâmites

A Oi (OIBR3) comunicou nesta terça-feira (6) que a prorrogação até 9 de abril de acordo de exclusividade com o BTG Pactual (BPAC11) envolvendo aquisição parcial pelo banco de investimentos da InfraCo, divisão especializada em fibra óptica da operadora de telecomunicações, que está em recuperação judicial.

O acordo, assinado com Globenet Cabos Submarinos S.A., BTG Pactual Economia Real Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia e outros fundos de investimento do Grupo BTG, “visa garantir segurança e celeridade às tratativas em curso entre as partes e permitir que os termos e condições dos documentos e anexos relativos à oferta vinculante para aquisição parcial da UPI InfraCo possam continuar a ser negociados”, afirmou a Oi em comunicado ao mercado.

Oi prorroga acordo com BTG por fibra óptica; conselho quer remuneração retroativa
OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos

Oi

O advogado Raphael Manhães Martins, conselheiro fiscal da Oi, questionou decisões tomadas recentemente pelo conselho de administração da companhia relacionadas a planos de remuneração de seus administradores. No entender dele, os temas deveriam ser levados à assembleia de acionistas.

No entender dele, os temas deveriam ser levados à assembleia de acionistas. A manifestação de Martins foi divulgada pela Oi anexada à ata de reunião do conselho fiscal, de 28 de março. Martins se refere a decisões do conselho de administração em 27 de janeiro de 2021 – a ata dessa reunião não foi divulgada.

Segundo Martins, nessa reunião de janeiro, o conselho tratou de planos de remuneração via ações para executivos e conselheiros de administração aprovados em assembleia geral da Oi em abril de 2019. O ponto aparentemente mais questionável, a partir da leitura do texto de Martins, refere-se à remuneração dos conselheiros.

Logo depois de aprovado, em 2019, esse plano de remuneração foi suspenso pela Justiça até o encerramento da recuperação judicial da companhia.

Agora, os conselheiros definiram que quando a empresa sair da recuperação, o plano passará a ser válido de forma retroativa, beneficiando os conselheiros da empresa desde 2019.

Veja OIBR3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais