A SP Ventures, uma das gestoras de Venture Capital mais tradicionais do país, reconhecida globalmente pela especialização na cadeia do agronegócio, anuncia novo fechamento de seu fundo AgVentures II, que agora supera R$ 130 milhões.

Liderado pela Adisseo, uma das maiores empresas globais de nutrição animal, e Mosaic, uma das maiores empresas em produção e comercialização de fertilizantes. Essa nova rodada de investidores também contou com Family offices brasileiros e um dos maiores produtores de grãos da América Latina.

Brasileiros perderam o medo das carteiras digitais, diz CEO da UPM2

Exterior

Além do Brasil, países como Argentina, Chile, Colômbia e México também são mercados de interesse para o fundo. A SP Ventures busca negócios disruptivos e transformadores que consigam agregar valor em um mercado tão disputado como o AgFood.

O investimento em empresas inovadoras pode atingir o valor de R$ 300 milhões em novas captações. O escopo de investimento do fundo inclui empresas de tecnologia digital ou ciências da vida que atacam os principais problemas das cadeias agrícola e pecuária da América Latina.

Francisco Jardim

De acordo com Francisco Jardim, sócio-fundador da SP Ventures, a entrada de mais investidores estratégicos torna a SP Ventures um investidor financeiro ainda mais qualificado.

“A densidade de conhecimento e os ativos operacionais no campo ao qual poderemos ter acesso e disponibilizar para as nossas investidas, através de uma multinacional como a Adisseo ou Mosaic, eleva bastante a qualidade da nossa proposta de valor para os fundadores”, explica.

Impacto ambiental

Além do retorno financeiro, o fundo também possui um importante objetivo de impacto ambiental e social.

Através da disseminação de inovações tecnológicas, as empresas investidas deverão tornar a agricultura e a pecuária da região mais verde e sustentável, enquanto aumentam a produtividade e rentabilidade do setor.

Como característica importante do fundo está o fato que seus investimentos serão destinados a empresas que cumpram com os critérios de ESG, ou seja, que tenham as melhores práticas ambientais, sociais e de governança.

Como exemplo, entram em seu radar companhias capazes de aumentar a produtividade das áreas agrícolas existentes e diminuir a pressão pelo desmatamento; que reduzam o desperdício de água e otimizem o uso de insumos, restringindo a quantidade de fertilizantes, pesticidas e outros produtos químicos; e que estabeleçam o empoderamento do produtor rural.

No caso da pecuária, soluções de biotecnologia para a nutrição e reprodução de animais de produção, além de tecnologias digitais que promovam gestão e eficiência, são algumas das oportunidades que serão contempladas. Todas as cadeias de abastecimento de proteína animal são alvo do fundo.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: