Petrobras (PETR3 e PETR4): entenda como funciona a política de preços dos combustíveis

Após a mudança na política dos preços, os combustíveis concentram a maior alta da história

Desde meados de 2016, quando Michel Temer (MDB) comandava o país, a Petrobras (PETR3 e PETR4) iniciou os cálculos dos preços dos combustíveis baseando-se no mercado internacional. Assim, as variações começaram a ser repassadas com uma frequência ainda maior aos consumidores.

Após cinco anos, o combustível no Brasil concentra a maior alta da história, superando à inflação em mais de 30%. Por outro lado, a Petrobras deu uma reviravolta no prejuízo acumulado em anos, juntamente com lucros distribuídos aos acionistas.

Portanto, este mecanismo adotado para estabelecer os preços dos combustíveis desempenhou bons resultados à companhia, que alcançou um lucro líquido de R$ 42,9 bilhões no segundo trimestre deste ano.

Disparada dos preços

Em 2016, os preços dos combustíveis já tinham sido alinhados pela inflação. Sendo assim, o botijão de 13kg de gás de cozinha era vendido em média à R$ 69,21. Já o litro da gasolina, era comercializado à R$ 4,58, e o do diesel a R$ 3,76.

Isto posto, na última semana (18), o preço médio do botijão avançou 47% em um intervalo de apenas cinco dias, sendo vendido a R$ 101,96. O litro da gasolina chegou a aumentar 39%, avaliado a R$ 6,36, e o diesel sofreu alta de 32%, sendo comercializado a R$ 4,98.

Portanto, a elevação dos preços representa uma das principais razões para a inflação se encontrar em 10,25% no acumulado dos últimos 12 meses.

Motivação da alta dos combustíveis

Em resumo, a participação média da Petrobras no preço da gasolina chega em torno R$2. Do mesmo modo, o valor no litro diesel para a empresa é de R$ 2,49, e no preço do botijão de gás é de R$ 46,90.

De acordo com o general Joaquim Silva e Luna, presidente da companhia, há uma somatória de motivações que surtiram efeito diretamente no Brasil. “Quase como uma tempestade perfeita”, afirma.

Afinal, enfrentamos a crise causada pela pandemia, a crise hídrica e uma elevada alta nas commodities, incluindo petróleo e gás.

“A Petrobras recebe cerca de R$ 2 por litro [de gasolina] na bomba. Essa parcela, que corresponde à empresa, se destina a cobrir o custo de exploração, de produção e refino do óleo. Além de investimentos permanentes, juros da dívida, impostos e participações governamentais”, explicou o presidente da companhia.

Petrobras: entenda como funciona a política de aumento de preços dos combustíveis
Posto de gasolina da Petrobras

Dólar e cotação do petróleo

Com base no preço de paridade de importação (PPI), a companhia considera seu lucro sobre a venda desses produtos no mercado internacional. À vista disso, a cotação do petróleo e do dólar induzem diretamente no preço estabelecido no país.

Sendo que, nos últimos anos, o dólar registrou uma alta de 74%. Logo, o preço de referência aos barris de petróleo, negociado em dólar, sofreu uma alta de 62%.

Além disso, têm os custos adicionais, bem como taxas portuárias, frete marítimo e transporte rodoviário, tidos no preço de paridade de importação.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais