Copel (CPLE6) aprova reforma de estatuto e desdobramento de ações

A estatal paranaense de energia Copel (CPLE6) viu aprovada em assembleia geral extraordinária de acionistas nesta sexta-feira (12) uma proposta de reforma de seu estatuto social, disse a empresa em comunicado.

Segundo a Reuters, o novo estatuto prevê o desdobramento de ações da companhia, na proporção de 1 para 10 papéis, e a formação de Units, sendo cada Unit composta de 5 ações, uma delas ordinária e quatro preferenciais classe B.

O documento também prevê adesão da companhia ao Nível 2 de governança corporativa da B3 (B3SA3). Esse movimento, no entanto, está condicionado à realização de uma oferta secundária de ações na qual o governo do Paraná venderia parte de sua fatia na empresa.

Além disso, o número de membros eleitos por acionistas não controladores no conselho de administração da empresa passará de 2 para 3.

O estatuto prevê ainda uma garantia de que o dispositivo que obriga a empresa a aplicar integralmente reajustes tarifários aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) não poderá ser alterado ou excluído sem aprovação de maioria dos acionistas detentores de ações preferenciais.

Copel (CPLE6) marca para novembro leilão da telecom com preço-alvo em R$ 1,4 bi

Copel

A Copel já disponibiliza em seu website (www.copel.com) um guia para auxiliar minigeradores na apresentação dos projetos de proteção de seus sistemas. Trata-se do Manual de Apresentação de Projetos de Proteção para Acessantes de Geração, desenvolvido com o objetivo de padronizar o conteúdo e a forma de entrega dos projetos à Copel e, assim, facilitar a aprovação. O guia será tema de um webinar gratuito promovido pela equipe do projeto para apresentar o material e tirar dúvidas dos usuários.

O projeto de proteção do sistema é um dos itens que devem ser disponibilizados à concessionária quando o cliente instala um sistema de geração distribuída, a depender da sua capacidade instalada. Vale para geradores de energia fotovoltaica acima de 300kW e de minigeradoras hidrelétricas (PCHs e CGHs) ou termoelétricas (UTEs) com potência acima de 75 kW. “Estas são instalações em que a proteção do sistema necessita de relés adicionais e estudos específicos, o que demanda informações bastante técnicas”, explica o gerente da Divisão de Proteção e Estudos Elétricos da Distribuição da Copel Distribução, Lincoln Venancio.

Abaixo dessas potências, o sistema de proteção é mais simples, o que facilita o processo de apresentação. “Já no caso dos sistemas maiores, por demandar esses estudos mais detalhados, um projeto específico para o sistema de proteção é exigido. E como precisa de informações mais técnicas e padronizadas, notamos um grande número de reprovações, com várias idas e voltas para ajustes. Isso demanda muito dos nossos analistas e dificulta também a vida do cliente, que demora mais até chegar a um projeto apto para instalação”, diz Rafael Ribeiro, supervisor do setor de Proteção de Média Tensão da Copel Distribuição.

Espera-se que, com o manual, a quantidade de reapresentações seja reduzida, tornando o processo mais ágil.

Veja CPLE6 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais