Pague Menos (PGMN3) encerra programa de recompra de ações

O Conselho de Administração da Pague Menos (PGMN3) informa o encerramento do Programa de Recompra de ações que foi aprovado em 9 de dezembro de 2020, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, no âmbito do Programa a companhia adquiriu o montante de 1.040.000 ações ordinárias, as quais permanecem em tesouraria.

A Pague Menos registrou lucro líquido ajustado de R$ 96,0 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 6,9 milhões obtido em 2019.

Em 2020, o valor do Ebtida ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) subiu 14,2%, para R$ 572,4 milhões.

No acumulado do ano, a receita bruta acelerou 7,6%, para R$ 7,308 bilhões ante 2019.

“Os resultados são reflexo de uma série de esforços e investimentos realizados ao longo dos últimos anos. Trouxemos ao time novos executivos em áreas estratégicas, investimos muito em tecnologia, inovação, data analytics e em novos processos, que agregados à nossa equipe e 39 anos de história, preparam a companhia para um novo ciclo de crescimento”, afirmou o presidente da rede, Mário Queirós, em nota.

Pague Menos (PGMN3) estreará na Bolsa dia 2 e pode levantar R$ 1 bi

Pague Menos – Credit Suisse

O Credit Suisse afirmou que a Pague Menos reportou bons resultados no quarto trimestre, com números acima das estimativas do banco, que já haviam sido revisadas para cima. Segundo o banco, este segundo balanço depois da abertura de capital mostrou consistência e é importante, pois ajuda a reduzir o risco de investimento para a companhia.

“Aumenta a confiança do mercado de que a recuperação foi implementada com sucesso e reforça as perspectivas positivas no futuro. Esperamos uma reação positiva do mercado”, diz o relatório. O banco manteve recomendação de compra e preço-alvo em R$ 13,50.

Ainda segundo o Credit, entre os pontos positivos destaca-se o forte desempenho da receita, apoiado na melhoria de produtividade das lojas, aumento acentuado nas vendas digitais e da Clinic Farma, além do processo interno de melhoria da lucratividade.

No lado negativo, o banco aponta a perda de participação de mercado de 0,2 ponto percentual ano a ano que era um tanto esperada à luz da otimização do portfólio de lojas, além da compressão da margem bruta em 2,1 ponto percentual ano a ano.

“Continuamos otimistas com a Pague Menos, pois ela opera em um segmento mais resiliente, o que parece especialmente importante, já que as preocupações da covid-19 provavelmente persistirão em 2021”, diz.

Veja PGMN3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais