Cielo (CIEL3) nega rumores sobre encerrar suas atividades na Bolsa; saiba o que aconteceu

Controladoras da companhia, Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil (BBAS3), também negam o fato

Nesta semana, rumores foram levantados sobre o possível fechamento de capital da Cielo (CIEL3), empresa controlada pelo Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil (BBAS3).

Contudo, a companhia se manifestou em relação ao fato e negou a intenção de encerramento do capital.

Notícia inverídica?

A Cielo garante que esta pauta, referente a sua saída da Bolsa, não foi discutida no Conselho Administrativo da companhia. Segundo o Bradesco, também não houve debate a respeito do assunto.

Do mesmo modo, o Banco do Brasil afirmou que não há tratativas dentro da governança do banco em relação à estrutura da Cielo. Portanto, a notícia não tem fundamento.

No entanto, o BB assegura que estuda constantemente oportunidades e alternativas para contribuir com a estratégia corporativa, aprimorar a experiência de seus clientes e agregar valores aos acionistas.

Futuro da Cielo

Desse modo, conselheiros do Bradesco e Banco do Brasil dividem opiniões ao estudar o futuro da companhia. Alguns dos membros acreditam que a melhor saída é encerrar o capital, antes mesmo de resolver as questões societárias da Cielo.

Logo, outra parcela defende a alternativa de aguardar a resolução das questões societárias pendentes para, em seguida, deixar a Bolsa de Valores.

Em suma, o Banco do Brasil possui 28,65% da Cielo e o Bradesco dispõe de 30,06%. De acordo com os balanços das instituições, a parte da Cielo vale em torno de R$ 11,7 bilhões.

No entanto, a companhia está avaliada em cerca de R$ 7,82 bilhões no valor de mercado atual. Nos últimos dois meses, o preço médio das ações é de R$ 3,60.

Em contrapartida, recentemente, a Cielo vendeu ativos, algo que poderia viabilizar a Oferta Pública de Aquisição (OPA) de ações e uma possível saída da B3.

Cielo (CIEL3)
Empresa Cielo

Venda aos Estados Unidos

Após a venda de aproximadamente R$ 700 milhões em ativos, em um intervalo de quase um ano, a companhia anseia vender seus negócios no exterior.

Logo, a principal companhia em pauta é a Merchant e-Solutions, empresa especializada em plataformas de pagamento, comprada em 2021 pela Cielo, por US$ 670 milhões.

Presidente da Cielo, Gustavo Sousa, afirma que está aberto para novos planos estratégicos para o ativo e conta que a companhia passou por um trabalho de recuperação (turnaround). 

Em conclusão, a companhia busca concentrar o seu negócio diretamente em pagamentos. Nesse sentido, já se desfez de três empresas, a Orizon, uma plataforma da bandeira Elo e a M4U.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais