Primeiro ETF de bitcoin da América Latina será lançado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou o primeiro ETF somente de Bitcoin da América Latina na B3, o QBTC11 da QR Capital dará pela primeira vez ao investidor da Bovespa a possibilidade de investir apenas em BTC.

A novidade foi anunciada há poucos minutos no Valor Investe, no qual o executivo Fernando Carvalho, fundador da companhia, deu vários detalhes sobre o produto. Dentre elas que a oferta primária deve movimentar R$500 milhões. 

O ETF brasileiro seguirá o índice CF Benchmarks, o mesmo usado pela Chicago Mercantile Exchange, a primeira a lançar derivativos de bitcoin e outros criptoativos nos Estados Unidos. A medida vem depois de muitos estudos sobre a regulamentação da CVM, disse Fernando Carvalho ao Valor: 

Estudamos profundamente a Instrução 359 da CVM [que trata de ETFs] e estendemos os desafios que existiam em relação ao produto bitcoin. Hoje entendemos que a infraestrutura está pronta para o que estamos propondo

 QR Capital terá concorrência com o primeiro ETF de bticoin? 

 Há poucos dias a Hashdex anunciou o ETF Hashdex Nasdaq Crypto Index Fundo de Índice (HASH11), que também pretende ser listado na B3. Mas diferente do QBTC11, o EF da Hashdex será atrelado com uma cesta de 6 criptoativos sendo eles  Bitcoin (78,61%) e Ethereum (16,86%). Bitcoin Cash, Chainlink, Litecoin e Stellar totalizam 4,53%.

Sendo um dos 4 primeiros ETFs do mundo, o  QBTC11 permitirá que investidores comuns comprem bitcoin sem precisar guardá-lo em uma carteira de criptomoedas. Em suma, os brasileiros poderão se expor ao BTC sem se preocupar com as características únicas do criptoativo e aproveitar a volatilidade.

Essa é uma ótima oportunidade para investidores institucionais, que agitaram o mercado de criptomoedas nos últimos 6 meses. Tesla, MicroStrategy e a brasileira Yubb estão entre as dezenas de empresas que aportaram no bitcoin, a criptomoeda é vista como um porto seguro contra uma possível tendência de inflação monetária e desvalorização do dinheiro estatal. 

Novos produtos para estes grandes investidores começaram a surgir no mercado brasileiro. A Foxbit, uma das mais tradicionais corretoras de bitcoin do Brasil, lançou há 4 dias o Foxbit Business – focado em empresas que querem se proteger do real. 

A moeda brasileira foi a pior do mundo em relação ao dólar entre os países em desenvolvimento e desenvolvidos em 2020 e vem com um péssimo desempenho em 2021.

Leia também: Empresa ganha quase US$100 milhões em dois meses após comprar BTC

Esse post saiu primeiro em Cointimes.

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais