Um FII (Fundo de Investimento Imobiliário) é uma espécie de instrumento para o investidor que deseja ter acesso a base imobiliária de maneira rápida e fácil, além de um baixo investimento inicial. Na grande maioria dos casos é melhor do que adquirir um imóvel. Dentro dos FII’s existem diversas categorias, com contratos diferenciados. Por exemplo, Fundo Imobiliário com contrato típico e contrato atípico. O Canal 1Bilhão Educação Financeira, convidou com exclusividade o criador do 1° Fundo Imobiliário com contrato atípico do Brasil. Telêmaco Genovesi, que falou pela 1ª vez no YouTube sobre o processo e como funciona a modalidade, destacando suas diferenças. 

O que é um contrato atípico?

Em 2012 e 2013 os FII’s ganharam popularidade no Brasil, na época o número de investidores dobrou, chegando a 100 mil CPFs. Porém, pouco tempo depois o mercado foi atingido pela crise imobiliária, o que gerou um grande número de vacâncias, ou seja, ausência de locadores. Por isso, Telêmaco tentou encontrar formas de fazer com que não ocorra a vacância, mesmo em meio a uma crise, como a que ocorreu. Dessa maneira, em 2017 foi criado o 1º Fundo Imobiliário com contrato atípico, ou seja, isso significa que o locatário é obrigado a pagar o aluguel durante o período de 10 anos, mesmo que ele não use o imóvel neste tempo.

O contrato atípico é seguro?

“Telêmaco achou um jeito de não ter a vacância, e assim o proprietário não sai e nem fica no prejuízo”, comenta o Financista do Canal, Fabrizio Gueratto. Durante a entrevista Genovesi explicou como funciona o contrato. “Pode existir a vacância física, ou seja, o imóvel pode não ser usado, mas não a financeira, essa não existe, já que o contrato é de 10 anos. Só no 1º ano, a valorização do Fundo foi de 20%, 21%.  Além disso, ele pagava rendimento mensal, que estava em volta de 0,9%”, comenta.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: