Nenhum ativo subiu tanto em 2020 como o Bitcoin (BTC). Até fevereiro a criptomoeda acumulava alta de mais de 30% em pouco mais de um mês. Cada vez que um investimento tem grande valorização as pessoas tendem a buscá-lo, sempre na ânsia de ganhar dinheiro fácil. Com o Bitcoin (BTC) não é diferente. Até mesmo pessoas que nunca tiveram qualquer contato com a renda variável, como a bolsa de valores, colocam suas fichas no Bitcoin (BTC), como se estivessem jogando uma grande aposta em um cassino de Las Vegas. “Bitcoin é um investimento de altíssimo risco e a classe de ativos com maior volatilidade do momento. Chega a cair 20% em um único dia. Dentro da diversificação de investimentos é possível ter Bitcoin, porém, dentro de um percentual que seja possível perder. Como todo investimento o risco é proporcional ao retorno, claro que também existe a possibilidade de multiplicar de valor em um curto espaço de tempo”, explica Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira.

O Financista explica ainda os 5 motivos que explicam a disparada do Bitcoin (BTC) em 2020.

1 – Aceitação Bitcoin

A média de crescimento dos estabelecimentos que aceitam Bitcoin desde 2015 é de 27,75%, variando de 15% em 2016 até 39% em 2017, ano de maior alta até o momento. Em 2019 o índice cresceu 13%. A criptomoeda só tem valor se as pessoas conseguem comprar produtos e serviços. Por isso, manter a taxa de crescimento é fundamental para a valorização. Quanto mais comércios aceitarem, maior será a utilidade da moeda.

2 – Risco de recessão global

O S&P500, que equivale ao ibovespa do EUA, nunca bateu tantos recordes de valorização com em 2019. O desemprego nos EUA está no menor índice histórico. Como a economia é uma montanha russa, após grandes altas geralmente ocorre uma crise uma recessão. Parte do dinheiro do mundo vai para reserva de valor, como ouro e dólar. Ouro teve forte valorização nos últimos 12 meses. Se uma pequena parte de fluxo for para o Bitcoin (BTC) já é suficiente para valorizar a moeda fortemente e é isso que pode estar ocorrendo.

3 – Guerra comercial

Apesar da trégua, a guerra comercial entre EUA e China preocupa o mundo. As duas maiores economias do mundo são capazes de desacelerar o PIB de todos os países. Riscos globais levam parte do fluxo de dinheiro para outros ativos como dólar, ouro e agora, bitcoin. Quanto maior a procura por um ativo, maior a sua valorização.

4 – Halving

O halving nada mais é que o mecanismo de controle para que o Bitcoin não provoque inflação. Moedas comuns (fiduciárias), podem ser emitidas pelo governo sem limites. No caso do Bitcoin, a cada 4 anos o número de novas moedas novas que entram no mercado é reduzido pela metade. Hoje, cerca de 140 blocos são minerados por dia, o que gera 12,5 moedas por bloco ou 1,8 mil Bitcoins (BTC), Com o halving, que acontece a cada 4 anos e deve ocorrer em maio de 2020, o número será reduzido para 6,25 por bloco. Quanto mais escassa, mais a moeda tende a se valorizar. Nos últimos 2 halvings, ocorreu uma valorização de mais de vezes nos 12 meses seguintes. Uma expectativa de que este efeito ocorra de novo pode estar ajudando na super valorização da criptomoeda.

5 – Coronavírus

O risco do coronavírus se espalhar pelo mundo levou pânico para todos os mercados, com o maior impacto na China, local com mais mortes. A queda do PIB chinês também deve impactar muitos países, principalmente os exportadoes de comodities, como o Brasil, por exemplo. Em razão da China ser um país comunista e controlar todos os meios de comunicação, não se sabe ao certo o tamanho real do problema. Este risco global, juntamente com o Halving, são os dois principais fatores que podem explicar a rápida valorização do Bitcoin(BTC).

Leia também: “BITCOIN (BTC) é AFETADO com CORONAVÍRUS? “.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: