Vale (VALE3) perde posto de empresa mais valiosa da América Latina; veja se ainda vale a pena investir

Segundo especialistas, a decaída nas ações da mineradora não é uma novidade

A Vale (VALE3) está passando por um período difícil. Isso porque a maior companhia do Brasil perdeu seu  posto de empresa mais valiosa da América Latina para o Mercado Livre (MELI34), negócio de e-commerce argentino.

A mineradora viu suas ações e valor de mercado caírem para cerca de US$ 40 bilhões, comparando-se com os US$ 90 bilhões avaliados pela gigante do e-commerce. Essa decaída nas ações não é uma novidade. Desde meados de agosto, a empresa acompanha a desvalorização do minério de ferro na China, seu principal cliente.

Dessa forma, na última segunda-feira (20), as ações VALE3 caíram cerca de 3,30%. Atualmente, os papéis estão cotados a R$ 83,68. Isso significa uma desvalorização de 32% em relação a sua máxima de 2021. Mesmo assim, a companhia continua sendo a maior listada na Bolsa de Valores (B3).

Veja os motivos da queda, as projeções para o futuro e se ainda vale a pena investir na mineradora:

Motivos não faltam

Um dos motivos  para a derrocada da mineradora foi a desvalorização do minério de ferro. A commodity viu seu preço cair em mais de 50%, saindo de US$ 250 a tonelada para US$ 70.

Além disso, o ambiente na China, principal cliente da Vale, se encontra instável. A segunda maior potência do mundo tem trabalhado dia e noite para diminuir a poluição e as emissões de carbono. Para isso, o país asiático tem tomado medidas como uma produção de aço no nível mais baixo, questão que aumentou a queda das commodities no início de setembro.

Por último, mas não menos importante, a crise da Evergrande e a possibilidade da dívida bilionária para com o Brasil. Esse cenário provocou uma onda vendedora de ações da Evergrande, que viu seus ativos caírem mais de 10,24%.

Vale (VALE3) perde posto de empresa mais valiosa da América Latina; veja se ainda vale a pena investir
Prédio da Vale

Previsões para o futuro

A queda da Vale assusta vários investidores, mesmo que sua baixa não tenha sido uma surpresa. No entanto, a empresa continua como maior empresa listada na B3 e uma das primeiras estatais criadas em solo brasileiro.

Vale lembrar que a companhia também promete dividendos próximos, e esse evento pode contar pontos positivos para a mineradora. De acordo com o BTG Pactual, a empresa tem uma forte tendência de pagar dividendos de aproximadamente US$ 8 bilhões até o final de setembro.

“Mesmo se o minério cair abaixo de US$ 100 a tonelada (uma nova correção de 20% sobre o preço atual), a Vale continuaria como uma ação barata. Vemos a empresa gerando um Ebitda de US$ 27 bilhões em 2022, com caixa líquido”, afirmaram os analistas do BTG.

Além disso, os especialistas projetam que o ativo da mineradora alcance cerca de 3 vezes o valor sobre o Ebitda e rendimento do fluxo de caixa livre em 17%.

Estratégia sempre é necessário

Em suma, os episódios das altas e baixas da Vale reforçam que na hora de investir é necessário ter uma estratégia sólida. Além disso, é importante pensar em adversidades que podem ser enfrentadas no cenário externo e interno. 

Dessa forma, mesmo que haja qualquer evento, um bom investidor vai estar prevenido com ações diversificadas e um plano de ação caso as coisas não saiam como planejado. Pois para cair, basta estar em alta.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais