O economista Telêmaco Genovesi, da Uncaflow, esmiúça o mercado de capitais com precisão cirúrgica ao falar da ambiguidade que o setor vive por conta dos juros excessivamente baixos para o padrão brasileiro. Confira:

Apetite

Não é nenhuma novidade que, com as taxas de juros aos níveis que estamos vivenciando hoje no Brasil, e porque não dizer, no mundo, o apetite por risco pelos investidores aumenta. Acho bom fazer essa colocação antes de entrar no tema principal da nossa coluna, pois quero mostrar a ambiguidade que estamos vivendo atualmente no mercado de capitais, principalmente quando nos deparamos com Fundos Multimercados.

Quando você investe num Fundo Multimercado, grande parte das vezes espera que o gestor exponha seus recursos a riscos pré determinados e que, normalmente, os clientes não teriam acesso, caso do dólar, juros futuros, mercado internacional, entre outros.

FIIS

Juros

Ocorre que, com a queda nas taxas de juros, um outro ativo que nem sempre foi visto com bons olhos, ficou muito atrativo: os Fundos Imobiliários (FIIS). Sim, esses que num passado não muito distante eram vistos como “patinho feio” do mercado financeiro, devido às taxas de juros brasileiras.

E por que os gestores dos Fundos Multimercados “descobriram” esses ativos? Porque um bom Fundo Imobiliário paga, em média, algo próximo a 6% ao ano mensalmente via dividendos.

Estamos falando de um ativo imobiliário pagando 300% do CDI, num momento que vivemos uma pandemia e que está cada vez mais difícil achar ativos para investir pagando taxas de retorno interessantes.

FIIS

Muitos podem pensar “mas os Fundos Imobiliários também são ativos como outros quaisquer”. Sim, são, mas há algo que o investidor tradicional ainda não percebeu, ou se percebeu não levou em consideração: esses fundos também cobram taxas de administração, taxas essas que não são cobradas dos clientes, e sim do fundo.

Com isso, o gestor do Fundo Multimercado cobra a taxa de administração do seu cliente e paga a taxa de administração do Fundo Imobiliário, ou seja, haverá cobrança duplicada, mas o cliente menos avisado não percebe.

Quando um Fundo Multimercado compra outro Fundo Multimercado, por exemplo, a soma das taxas de administração não pode ultrapassar o que foi determinado para o cliente, o que é mais justo! Vamos ficar atentos a isso…

E por que os Fundos Multimercados não compram ativos imobiliários diretamente? Vários motivos: liquidez dos Fundos Imobiliários, facilidade de gestão, entre outros aspectos, mas atualmente já existem Fundos Multimercados com 100% de ativos imobiliários, focados principalmente em clientes institucionais, que são isentos de IR, mas isso é matéria para a próxima coluna.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: