Separação entre XP Investimentos e Itaú (ITUB3 e ITUB4); entenda o que muda para os investidores

Incorporação da XPart pela XP é aprovada e holding agora obtém 15,07% da corretora

Na última sexta-feira (1), a temporada de briga entre o Itaú (ITUB3 e ITUB4) e a XP Investimentos chegou ao fim. Em votação, ambas as empresas aprovaram a incorporação da XPart pela XP. Com a mudança, a XPart será extinta.

Entretanto, tem muito investidor que não conseguiu acompanhar essa série de acontecimentos, que começou em maio deste ano.

Dessa forma, entenda o que aconteceu com o Itaú e a XP, e quais as consequências aos investidores de ambas as empresas:

O divórcio entre as partes

O acordo, que rompeu com o relacionamento entre a XP e o Itaú Unibanco, se deu após uma briga pública entre os fundadores das instituições financeiras. A divisão já havia sido aprovada pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano. Portanto, para concluir a operação, faltava apenas o aval da autoridade monetária brasileira.

Depois da autorização do Banco Central, a XPart agora se tornará parte dos acionistas junto com a XP Investimentos, sendo assim diluída. Isso dá a ela os mesmos direitos e obrigações atribuídos anteriormente ao Itaú Unibanco.

As ações da XP estão listadas na bolsa americana de empresas de tecnologia, o Índice Nasdaq. Por isso, a operação teve que se submeter à aprovação do Fed.

Separação entre XP Investimentos e Itaú (ITUB3 e ITUB4); entenda o que muda para os investidores
Separação entre XP e Itaú

Queda nas ações do Itaú e distribuição de BDRs

Depois da conclusão da separação por completa do Itaú e da XP Investimentos, os ativos do banco chegaram a uma queda de 20% no pregão da Bolsa de Valores (B3) nesta segunda-feira (4).

Dessa forma, os ativos do Itaú iniciaram o dia cotados a um valor 18,69% menor para as papéis ordinárias (ITUB3) e de 17,54% para as ações preferenciais (ITUB4). Ou seja, as ações que fecharam a um valor de R$ 29,67 na sexta-feira, abriram o pregão de hoje a R$ 24,47.

Entretanto, a queda não abalou os investidores, pois o Itaú anunciou que seus acionistas terão direito a receber BDRs (recibos de ações) da XP (XPBR31), que estreitaram hoje (4) na Bolsa de Valores.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais