Privatização dos Correios empaca após aprovação na Câmara; entenda o motivo

Nenhum senador quer assumir a função de relator do projeto, nem aqueles que são favoráveis à privatização

A privatização dos Correios enfrenta impasses no Senado brasileiro. Isso porque, de acordo com o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Otto Alencar (PSD-BA), nenhum parlamentar quer assumir o cargo de relator do projeto.

De acordo com Otto, nem os senadores favoráveis à privatização querem assumir esse papel.

Segundo a lei, o relator para um processo como o dos Correios é extremamente importante, uma vez que é dele a função de analisar todos os detalhes do processo e realizar um relatório com base na análise. Depois disso, o mesmo emiti seu voto, que servirá como referência para os demais juízes.

Por quê ninguém quer o cargo?

De acordo com alguns especialistas, há possíveis motivos para essa resistência por parte dos senadores. Entre eles, o fato de que os Correios é uma instituição lucrativa. Só no ano passado, a estatal declarou um lucro líquido de R$ 1,53 bilhão. No ano anterior, os números chegaram a R$ 102,1 milhões.

Além disso, outra questão delicada é a dos funcionários da empresa, cerca de 100 mil pessoas. A questão envolve o risco delas perderem seus empregos em um cenário em que existem mais de 14 milhões de trabalhadores desempregados no país.

Em suma, a privatização dos Correios entrou na pauta do Senado brasileiro logo no início do mês de agosto, quando obteve aprovação na Câmara dos Deputados. A mesma precisa passar por votação ainda esse mês para seguir com o calendário do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que prevê o leilão da estatal em abril.

Correios é o próximo na fila da privatização com lucro de R$ 1,5 bi

Plano de desestatização

O governo elaborou um texto que autoriza o Executivo a tornar a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) uma sociedade de economia mista, podendo ser veiculada pelo Ministério das Comunicações e passar a ser chamada como “Correios do Brasil S.A – Correios”. Atualmente, a instituição é 100% estatal. 

Em virtude disso, a proposta sugere que a Anatel mude seu nome para “Agência Nacional de Telecomunicações e Serviços Postais”. Dessa forma, o órgão regulamentador se tornaria responsável pelo novo serviço privado.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais