Oi (OIBR3) enfrenta investigação na Anatel sobre venda das redes móveis; veja como afetará a empresa

Em julho, o Cade classificou a operação como complexa e apontou a necessidade de investigações adicionais para analisar as compradoras

Nesta quarta-feira (1), o governo encaminhou para a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), analisar os riscos que o impacto das vendas de rede móvel da Oi (OIBR3) apresentam na infração de ordem econômica.

Tendo em vista que, no final do ano passado, a operadora vendeu seus serviços de redes móveis por R$ 16,5 bilhões, para as operadoras Vivo (VIVT3 e VIVT4), Tim (TIMS3) e Claro. 

Impasses da venda das redes móveis

De acordo com o deputado Elias Vaz, uma vez que, esse setor é monopolizado e possui extrema relevância na sociedade, a venda para três operadoras concorrentes “concentra o que já está concentrado”.

Além disso, para Vaz essa operação fere o interesse da sociedade e a questão de monopólio. Logo, eles fizeram um pedido ao governo para analisar a situação.

Desse modo, Elias Vaz solicitou ao Ministério das Comunicações, a realização de uma operação administrativa junto à Anatel para averiguar a possibilidade de infração contra a ordem econômica. Além do prejuízo aos usuários decorrente da venda de redes móveis da Oi.

Em nota, tendo em vista a intenção de promover um mercado de competição ampla, livre e justa. De acordo com a secretária de Telecomunicações, a apreensão do parlamentar iguala com o governo federal.

Vale destacar que, convém à Anatel regularizar e fiscalizar o setor, especialmente o controle, prevenção e repressão das infrações da ordem econômica.

Função da Anatel

Para a Anatel, medidas necessárias podem ser tomadas devido ao estímulo à competitividade no setor. Para a realização da oferta de serviços com as exigências dos usuários.

No entanto, a Anatel têm livre arbítrio para exigir restrições ou limites às empresas, no caso da constatação de consequências aos consumidores. Ou até mesmo para a competição do setor de telecomunicações. 

Foi comunicado pela Anatel que os impactos da venda das redes móveis da Oi e a adequação à legislação estão sendo analisados. Contudo, apenas na fase seguinte que haverá um decisão da agência.

Venda das redes móveis

Em suma, a venda das redes móveis da Oi aconteceu por meio de um leilão. Para assim, realizar um posicionamento da empresa na tentativa de sair da recuperação judicial devido uma dívida de R$ 65 bilhões.

De acordo com as operadoras Claro, Vivo e Tim, a proposta da venda da rede móvel da Oi protege os aspectos de concorrência no setor de telecomunicação.

Oi (OIBR3 e OIBR4) vende 57,9% da InfraCo para BTG Pactual por 12 bilhões

Conclusão da operação

Por fim, para encerrar a operação é necessário a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que deve analisar de que forma acontecerá a divisão dos clientes entre as três operadoras.

Em julho, o Cade classificou a operação como complexa e apontou a necessidade de investigações adicionais para analisar as compradoras.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais