A Oi (OIBR3, OIBR4) iniciou nesta quarta-feira (7) um projeto piloto de rede comercial 5G em Brasília (DF). A rede da companhia abrange 80% da cidade, uma área de 460 Km², e não usa o padrão DSS, segundo Bernardo Winik, vice-presidente de Clientes da operadora.

“Essa á uma diferença importante para as redes das concorrentes. Fizemos o refarming do espectro de 2,1 GHz e destinamos 10 MHz exclusivamente para a 5G. Não tem nada de DSS. Quem tiver o smartphone vai usar 5G, e não vai haver qualquer impacto sobre quem tiver 3G ou quem tiver 4G”, afirmou.

OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos

A tecnologia

Segundo o portal especializado Tele Síntese, a tecnologia DSS está sendo usada pela operadora concorrentes em pilotos Brasil afora. Nela, o espectro é usado ora para entrega do sinal 5G, ora para entrega em 4G, conforme a demanda.

Com a destinação exclusiva, diz Winik, o desempenho da rede é melhor. Ele afirma que os testes até o momento resultaram em velocidade de pico de 500 Mbps e latência próxima de zero.

Núcleo

O executivo diz que a rede funciona sobre núcleo 4,5 G. E que não foi preciso instalar nenhum novo site.

A operadora reutilizou todos os 300 sites que possui na capital federal. A fornecedora da tecnologia é a Huawei. Winik conta que a Oi prepara ainda o lançamento de 5G em outras cidades, com “outro fornecedor”.

O Plano Piloto (Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul, Lago Norte, incluindo a praça dos Três Poderes e Esplanada dos Ministérios), foi todo coberto, além dos Setores Administrativos (Cruzeiro, Sudoeste, Gama, Planaltina, Guará, Núcleo Bandeirante, Taguatinga, Recanto das Emas, Samambaia, Ceilândia, Sobradinho, São Sebastião, Riacho Fundo e Santa Maria).

Brasília

Ele conta que Brasília, como outras capitais, é estratégica para a operadora. Mas acabou sendo escolhida para o piloto por coincidir com o momento em que a empresa iniciou o refarming das frequências 5G usadas localmente.

Segundo Winik, os planos de dados vendidos hoje em dia pela Oi já deve dar conta de atender o consumo de dados esperado do consumidor 5G, mesmo que a velocidade de navegação seja muito mais rápida.

“Achamos que o hábito de consumo de dados muda, mas não radicalmente. Atualmente, poucos consumidores consomem toda a franquia dos planos com mais dados”, contou.

O único aparelho do mercado compatível com 5G no país é o Motorola Edge, que custa R$ 5,5 mil nas lojas da tele. A empresa vai dar um desconto de R$ 1,2 mil no aparelho caso o comprador seja também assinante do plano pós-pago Oi com 100 GB de franquia de dados. Este plano sai por de R$ 129,90 ao mês e, segundo a empresa, será comercializado dessa maneira apenas até 26 de outubro.

OIBR3: Banda Larga Fixa

Inicialmente, a rede será usada pelos donos de aparelhos Motorola Edge que tenham chip da Oi Móvel.

Não é preciso trocar de SIM Card nem alterar o plano assinado. No futuro, em data não revelada, a empresa vai comercializar também banda larga fixa via 5G, conhecida por FWA. “Estamos homologando alguns aparelhos para isso”, antecipa Winik.

OIBR3: a ideia

A ideia, contou, é fornecer ultra banda larga fixa pelo 5G a clientes onde a fibra da Oi ainda não chega na cidade de Brasília.

O executivo frisa a palavra “ainda”, uma vez que a empresa tem um planos agressivo de expansão da fibra. “À medida que formos avançando com o Oi Fibra, fazemos o remanejamento”, falou.

Ele contou também que o FWA prevê um modelo de negócio em que a oferta é idêntica à de banda larga por fibra: velocidades de acesso de centenas de gigabits por segundo, com o mesmo preço, e sem limite de franquia de dados.

“Quando lançaremos? Não sei porque a homologação de aparelhos não tem data para ser concluída”, disse.

Veja OIBR3 na Bolsa:

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: