A Oi (OIBR3) tem sua assembleia de credores agendada para 8 de setembro.

Entretanto, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) pediu à Justiça o adiamento por 60 dias.

Segundo o Estadão, o argumento é de que é preciso tempo para a Procuradoria concluir as negociações para reestruturação da dívida de R$ 13 bilhões da empresa junto aos órgãos públicos.

A Oi apresentou em julho um requerimento para que essa dívida fosse excluída do processo de recuperação judicial e passasse a ser tratada sob as condições da lei 13.988, em vigor desde este ano. O valor se refere a mais de mil multas administrativas aplicadas pela Anatel.

A nova lei permite à União e a suas autarquias, como a Anatel, flexibilizarem o pagamento de dívidas consideradas “irrecuperáveis ou de difícil recuperação”, como é o caso da Oi.

OIBR3: segurança jurídica

Segundo os procuradores na petição, há reuniões frequentes com a direção da Oi, e as negociações têm avançado O pedido de adiamento da assembleia serviria para que a reunião seja realizada “num contexto de maior segurança jurídica”.

Porém, para a telefônica, “prorrogações e atrasos” na reunião impactam todo o cronograma do plano de recuperação judicial, frustrando o planejamento da companhia para 2020.

A tele afirmou que, após conversas com a Anatel, incluiu uma medida que garante um prazo de até seis meses para que se dê a transação dos créditos no processo de recuperação judicial.

A Oi disse que irá buscar “todos os instrumentos necessários” para evitar o adiamento da assembleia. O pedido da Anatel foi ajuizado na 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, onde corre o processo de recuperação judicial da tele.

https://www.youtube.com/watch?v=yM7V0fVENtw
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: