Nubank registra lucro pela primeira vez em sua história; entenda o motivo

O lucro veio às vésperas da abertura de IPO do banco digital na bolsa de valores norte-americana

Pela primeira vez em 8 anos de existência, o maior banco digital do mundo, o Nubank, registrou um saldo lucrativo ao final do primeiro semestre.

Esse dado pode surpreender alguns, principalmente, por se tratar de um banco digital tão grande quanto o roxinho. Entretanto, a verdade é que durante todo esse tempo a instituição financeira só vinha apresentando prejuízo em termos de caixa.

Mas, como? Se você faz parte do grupo de pessoas que está surpreso com essa informação, confira a seguir como o banco digital conseguiu crescer tanto mesmo passando por 8 anos de prejuízo:

Lucro de R$ 76 milhões

O lucro registrado pelo Nubank foi de R$ 76 milhões no primeiro semestre de 2021. Vale lembrar que a quantia é inferior ao que o banco digital já tomou de prejuízo. Só em 2020, foram R$ 230 milhões de prejuízo líquido, e R$ 312 milhões em 2019.

Mesmo assim, a conquista do primeiro lucro é significativa para o banco digital e uma ótima notícia para os investidores, uma vez que o roxinho logo mais estreará sua oferta pública inicial (IPO) na bolsa de valores norte-americana, o Índice Nasdaq.

Em suma, o valor adquirido de lucro não será distribuído aos investidores. De acordo com o Nubank, o dinheiro será reaplicado na instituição como uma forma de investimentos, para assim melhorar seus produtos e serviços.

Nubank
Predio Institucional do Nubank

Prejuízo vs Expansão

A questão dos prejuízos apresentados pelo Nubank nesses 8 anos nunca foi uma questão para sua expansão no mercado. Isso porque o banco digital permaneceu em crescimento, mesmo dando milhões em prejuízo.

Em 2019, ano em que a instituição financeira apresentou R$ 313 milhões em prejuízo contábil, quase 212% maior do que o prejuízo apresentado em 2018, a fintech também registrou um aumento de 70% em sua receita bruta, atingindo R$2,1 bilhões.

Essa dualidade ocorre por diversos motivos. Um deles é a possível inadimplência dos clientes, que são atraídos justamente pela maior facilidade de obter crédito. Outro motivo é o modelo de negócios, com objetivos de crescimento acelerado. Portanto, essa característica de prejuízo é comum.

“Todas essas fintechs têm licença ainda para dar prejuízo nessa fase de crescimento acelerado”, afirma Carlos Daltozo, head de renda variável da Eleven.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais