Os mercados emergentes são o grande filão dos gestores de fundos para 2021, conforme levantamento da Reuters.

Isso porque a pesquisa feita com bancos de investimentos elenca três ações por parte destas instituições: menos dólar, mais emergentes e busca por sustentabilidade.

Eles dizem acreditar ainda que este será o ano da recuperação da pandemia da Covid-19 e, consequentemente, o ano da recuperação da economia.

Na prática, significa dizer que os agentes de investimentos estão esperançosos na vacina contra o coronavírus, bem como na volta aos patamares pré-crise.

Brasileiros perderam o medo das carteiras digitais, diz CEO da UPM2

O levantamento classificou algumas operações com as quais as maiores casas de investimento do mundo parecem concordar:

Dólar

O Covid-19 encerrou uma década de valorização do dólar, e as expectativas são para 2021 trazer mais armadilhas de dólar.

A pesquisa do BofA com investidores em dezembro mostrou que “vender a descoberto” o dólar foi a segunda negociação mais concorrida. Outro indicador – dados da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos EUA – mostra US $ 30 bilhões em vendas líquidas em dólares, oscilando em relação aos US $ 17 bilhões em dezembro passado.

O raciocínio, diz Peter Fitzgerald, diretor de investimentos para multiativos e macro da Aviva Investors, é que nenhum banco central pode “superar o Fed”.

Em outras palavras, quando o Federal Reserve cortou as taxas de juros para quase 0%, ele acabou com a vantagem do rendimento do dólar em relação aos seus pares. E ainda tem espaço para facilitar a política.

A saída iminente do presidente Donald Trump também deve reduzir as tensões comerciais e políticas, que apoiavam o dólar.

Quanto e por quanto tempo o dólar vai cair?

Analistas ouvidos pela Reuters preveem que a fraqueza perdure até meados de 2021, limitada pela incerteza do Covid-19.

Mas a gestora de ativos PIMCO observa que as quedas do dólar são mais rápidas após recessões profundas, com cinco ocorrências de depreciações anuais de 8% -10% registradas entre 2003 e 2018.

Vacinas e economias em recuperação irão “acelerar a queda do dólar em desgraça”, previu a PIMCO.

https://youtu.be/TSU-HjQCGA4
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: