IPO da Environmental ESG (EESG3): vale a pena entrar na reversa de ações da empresa?

A reserva de ações para entrar no IPO da empresa termina nesta quarta-feira (6)

A Environmental ESG, subsidiária da Ambipar (AMBP3), chega na Bolsa de Valores (B3) com uma oferta inicial (IPO) que pretende movimentar cerca de R$ 3 bilhões, além de impulsionar as aquisições da companhia.

A chegada na B3 está marcada para dia 11 de outubro, com o ticker “EESG3”. Além disso, os ativos terão uma média de preço entre R$ 15,50 e R$ 20,50. Dessa forma, após a estreia do IPO, cerca de 43% do capital social da empresa estará em circulação no mercado.

Portanto, veja se vale a pena entrar nesse IPO e investir nas ações da Environmental ESG.

Detalhes da Oferta Pública Inicial

O aporte mínimo para investidores de varejo que pretendem entrar no IPO da Environmental ESG é de R$ 3 mil, já o máximo é de R$ 1 milhão. A precificação dos ativos acontece no dia 7 de outubro.

Além disso, com a oferta pública, a empresa pretende destinar os recursos adquiridos para compras no Brasil e exterior, assim como otimizar a estrutura de capital, incluindo reforço de giro em 25%.

Vale lembrar que o IPO distribuirá 100% de ativos primários, cerca de 168.400.000 ações ordinárias. Ainda assim, a operação poderá ter um acréscimo de 15%, cerca de 25.260.000 papéis. Em suma, a oferta vai ter na coordenação os bancos: Bradesco BBI (Líder), Santander Brasil (SANB11) e UBS BB.

Vale a pena investir? Conheça a empresa

A Environmental ESG é uma subsidiária da Ambipar que oferece soluções ambientais de gestão de resíduos. Além disso, a companhia tem uma plataforma com o objetivo de valorizar resíduos industriais, pós-consumo, coprocessamento, reciclagem, manufatura reversa e etc.

Em junho, a companhia já tinha cerca de 6 mil funcionários, com presença em todos os cantos do Brasil, Chile, Peru e Paraguai. Assim como, contava com aproximadamente 108 contratos ativos de gerenciamento total de resíduos. Dentre eles, 75 no Brasil e os outros 33 espalhados pela América Latina.

A empresa tem um perfil de clientes que inclui empresas dos setores de infraestrutura, fertilização, mineração, papel e celulose, açúcar e etanol.

Em suma, em 2020, a Environmental ESG teve uma receita operacional líquida de R$ 337,328 milhões. Uma evolução considerável quando comparada com os R$ 258,546 milhões registrados em 2019. Dessa forma, seu Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 91,976 milhões em 2020, ante aos R$ 71,784 milhões um ano antes.

IPO Environmental ESG (EESG3): vale a pena investir nas ações?
Ilustração IPO da Environmental

Investimento verde é o futuro

Vale lembrar que a pauta de sustentabilidade é muito importante quando o assunto é investimentos do futuro. Isso porque, devido às alterações climáticas e os aquecimentos globais, todas as grandes potências mundiais estão empenhadas em construir indústrias que sejam “ambientalmente amigáveis”.

Dessa forma, os acordos firmados na Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP) determinam metas de diminuição de carbono e poluição para todos os 190 países participantes (entre eles o Brasil).

Portanto, empresas que promovem essa questão de sustentabilidade, ou que estejam investindo em um meio mais “verde” de produção, são a “tendência” do mercado mundial para as próximas décadas, sendo um bom investimento pensando no longo prazo.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais