A maioria dos investidores está planejando aumentar sua exposição a mercados emergentes nos próximos cinco anos.

Isso mesmo com as preocupações sobre o impacto da pandemia de Covid-19 limitando o fluxo de investimentos de curto prazo nessas economias.

Segundo a Reuters, nos próximos 12 meses cerca de 95% dos investidores devem manter o mesmo nível de exposição a emergentes, reduzir as alocações ou aumentar sua exposição mais lentamente do que o planejado.

O levantamento é da Vontobel Asset Management com 300 investidores institucionais e gestores de fortunas.

Investimento

9 em 10

Quase nove em cada dez investidores consultados dizem que os efeitos do coronavírus e suas consequências são uma obrigação ao decidir se aumentam sua exposição a mercados emergentes.

“Não é de surpreender que o impacto esteja no topo da lista de riscos, mas questões como tensão comercial e nacionalismo econômico de perto”, escreveu Axel Schwarzer, chefe da Vontobel.

Incertezas

Apesar da incerteza de curto prazo, ao longo de um período de cinco anos cerca de dois terços dos investidores consultados esperam aumentar suas alocações de investimentos de mercados emergentes, enquanto quase seis em cada dez veem maior exposição à renda fixa.

Espera-se que as economias emergentes como um grupo se recuperem lentamente dos impactos provocados pelo coronavírus, mesmo com a previsão de que a recuperação da China seja mais rápida do que se pensava boletim.

A China deve crescer 1,0% este ano e acelerar a alta para 8,2% em 2021, enquanto a economia da América Latina deve perder 9,4% em 2020 e crescer apenas 3,7% no próximo ano, de acordo com Imagem do Fundo Monetário Internacional.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: