Estapar (ALPK3) reporta prejuízo líquido de R$15,9 mi no 4º trimestre

A Estapar (ALPK3) reportou prejuízo líquido de R$ 15,9 milhões no quarto trimestre de 2020, alta de 150,8%, ante o prejuízo de R$ 6 milhões reportados no mesmo período de 2019, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, no acumulado do ano, as perdas somaram R$ 170,7 milhões, montante quatro vezes maior do que os R$ 42,6 milhões reportados um ano antes. Os números consideram a adoção da norma contábil IFRS-16.

De acordo com a companhia, as restrições impostas pela crise da pandemia da covid-19 e o ciclo de “intensivos” investimentos em crescimento dos últimos exercícios, impactando as despesas de depreciação e amortização, explicam o prejuízo.

Estapar (ALPK3) reporta prejuízo líquido de R$15,9 mi no 4º trimestre

Estapar

A receita da Allpark também recuou 33%, para R$ 184,6 milhões. No ano, houve queda de 39,9%, para R$ 278,7 milhões. Todas as divisões de estacionamentos registraram recuo na receita no período entre outubro e dezembro.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 95,2 milhões, queda de 16,5% em relação ao mesmo período de 2019.

A margem Ebitda cresceu 10,7 pontos percentuais (p.p.), para 51,6%.

Em dezembro, o faturamento da Allpark atingiu 63%, se comparado ao mesmo mês de 2019. O segmento de “on-street”, que são as operações de estacionamentos nas vias públicas, representou o maior percentual de faturamento, com 87,3%, perante dezembro de 2019.

O número de vagas ofertadas pela dona da Estapar cresceu 3,3% em dezembro de 2020, em relação ao mesmo mês de 2019, totalizando 388.955 vagas.

Balanço

Os contratos de longo prazo registraram o maior crescimento, com avanço de 10,8% em vagas nos setores de lazer e shopping centers.

As concessões “on-street”, que são as operações de estacionamentos nas vias públicas, registraram crescimento de 9,7%, principalmente pela expansão de 8 mil vagas na concessão da Zona Azul de São Paulo.

Já no segmento de propriedades, que trata dos edifícios comerciais, a expansão foi de 4,8%.

Por outro lado, o segmento de vagas alugadas e administradas registrou redução de 1,3%, mas que foi compensado, de acordo com a companhia, pela conversão de operações alugadas e administradas em contratos de longo prazo em hospitais.

De acordo com a Allpark, o faturamento em 2020 ficou distribuído entre aeroportos (30%), edifícios comerciais (20%), shopping centers e varejo (24%), hospitais e centros médicos (14%).

A companhia afirmou ainda que, em relação às operações “on-street”, a contribuição positiva da Concessão da Zona Azul de São Paulo já “faz presente pelo aumento da participação para 6% da receita líquida total, comparado a 5% aos nove meses de 2020.

Veja ALPK3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais