Eletrobras (ELET3) faz mudanças no pagamento de dividendos e anuncia a emissão de R$ 400 mi em debêntures

A companhia decidiu alterar o valor pago aos acionistas por ação ordinária de R$ 0,94 para R$ R$ 0,96

Nesta sexta-feira (20), a Eletrobras (ELET3) anunciou que mudou o pagamento de dividendos. Isso porque a companhia decidiu alterar o valor pago aos acionistas devido ao aumento da taxa básica de juros, a Selic.

Dessa forma, de acordo com a empresa, os dividendos pagos por ação ordinária no dia 31 de agosto, referentes ao exercício da empresa em 2021, passou de R$ 0,94376677536 para R$ R$ 0,96313665898147.

Emissão de R$ 400 mi em debêntures

Na tarde de ontem (19), a Eletrobras anunciou sua terceira emissão em debêntures simples e não conversíveis em ações.

Essa emissão acontecerá em duas séries da subsidiária Eletrosul. Dessa forma, o montante totalizou R$ 400 milhões. Portanto, serão R$ 185 milhões na primeira série e R$ 215 milhões na segunda. A distribuição terá esforços restritos.

De acordo com a companhia, os recursos adquiridos pela  Eletrosul serão destinados a alavancagem de Projetos de Investimento em Reforços de Transmissão (Debêntures da Primeira Série). Já com a segunda série, haverá reforço de caixa para utilização no curso ordinário dos negócios da Eletrobras.

Eletrobras (ELET6): Bolsonaro avalia nomes para presidência da estatal, diz ministro
Imagem de divulgação Eletrobras

Lucro líquido de R$ 2,5 bilhões

A Eletrobras recentemente anunciou ao mercado seus resultados referentes ao segundo trimestre de 2021. Entre eles, o lucro líquido do período alcançou um crescimento de 439% em relação ao ano anterior, chegando a R$ 2,5 bilhões.

Em suma, os número apresentados pela empresa ficaram acima das expectativas do mercado. Dessa forma, aconteceu também com o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que chegou a totalizar R$ 3,3 bilhões. Isso representa uma alta de 64% ante ao mesmo período de 2020.

De acordo com a Eletrobras, os bons resultados se deram devido ao impacto positivo do segmento de transmissão em decorrência da revisão tarifária periódica, com efeitos a partir de julho de 2020. Assim como, o impacto da melhora nos resultados da geração.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais