Eletrobras (ELET3) investe R$ 8,3 bilhões em processo de modernização; veja o que vai mudar

Em nota ao mercado, a empesa informou que o propósito principal das reformas é diminuir riscos de operações nas hidrelétricas

A Eletrobras (ELET3) anunciou que vai investir na modernização de toda a sua estrutura. O objetivo é buscar melhorias, assim como uma maior eficiência.

O total é R$ 8,3 bilhões destinados a esses fins, entre 2021 e 2025. O processo de modernização inclui a aquisição de equipamentos mais atuais, além da modernização e digitalização das usinas.

Em suma, a Eletrobras afirmou em nota ao mercado que o propósito principal das reformas é diminuir riscos de operações nas hidrelétricas.

As principais usinas no foco das mudanças são: Paulo Afonso IV, Sobradinho, Xingó, Marimbondo, Itumbiara e Tucuruí e a AES Tietê (AESB3). Sendo assim, das nova unidades da empresa, somente três ainda não terminaram o processo.

Mudanças necessárias

As mudanças se mostram necessárias, uma vez que, devido ao envelhecimento e desgaste das turbinas, a eficiência da hidrelétrica pode ser comprometida. Além disso, ao passar do tempo, quanto mais antigo o equipamento é, mais tempo é necessário para repará-lo, portanto, isso afeta diretamente o volume de geração.

De acordo com dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), nos últimos anos, o índice de disponibilidade das hidrelétricas entre 59 MW e 699 MW diminuiu. Dessa forma, uma das razões pode ser o efeito do tempo nos equipamentos.

“Apesar de não aumentar a potência, a modernização eleva a eficiência e faz a usina gerar mais tempo, o que é bom para o sistema”, afirma Cláudio Trejger, presidente da divisão Hydro da GE Renewable Energy da América Latina.

De acordo com Trejger, a tecnologia atual pode melhorar os resultados nas usinas, que irão apresentar soluções que monitoram e permitem operações de forma remota.

Eletrobras (ELET3) investe R$ 8,3 bilhões em processo de modernização; veja o que vai mudar
Logo da Eletrobras

O que muda?

O Ministério de Minas e Energia informou que, em decorrência com o Plano Decenal de Energia, é aguardada uma expansão hidrelétrica. Dessa forma, o alcance esperado é de 4,3 mil MW até 2030 após a modernização das usinas existentes.

“Contudo, para isso ocorrer, é preciso evoluir a atual forma de remuneração de atributos das hidrelétricas, como a capacidade”, afirma o ministério.

Além disso, o órgão ressalta que é necessário aprimorar as metodologias, assim como o desenho do mercado, seguindo de acordo com os trabalhos do Comitê de Implementação da Modernização.

“A reavaliação do potencial dessas usinas pode ser uma oportunidade para a indústria de hidroeletricidade do País”, em nota, diz o ministério.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais