Conheça as 5 BDRs mais negociadas na Bolsa de Valores em 2021

A procura por BDRs, assim como seu volume de negociações na B3, saíram de uma média diária de R$ 50 milhões em 2020 para cerca de R$ 500 milhões em 2021

Há um pouco mais de um ano, os BDRs (Brazilian Depositary Receipt) se tornaram mais acessíveis a investidores considerados pequenos dentro da Bolsa de Valores (B3).

Essa facilidade gerou uma multiplicação no volume de negociações desse tipo de ativo, que está atrelado a empresas com capital aberto no exterior.

Isso porque, há dois anos, o volume médio diário ficava em R$ 50 milhões. Entretanto, hoje essa média chega a R$ 500 milhões, cerca de dez vezes mais. No entanto, vale lembrar que esse sucesso tem os seus protagonistas.

Portanto, entenda o que são BDRs e quais os ativos mais movimentados na B3 em 2021. 

O que são BDRs?

Em suma, os BDRs funcionam como recibos de empresas negociadas fora do Brasil. Assim, por meio deles, o investidor tem a oportunidade de investir nas maiores empresas estrangeiras dentro da própria Bolsa de Valores brasileira.

Desta forma, ao aplicar em um BDR, a pessoa expõe seu capital para um ativo estrangeiro. No entanto, é importante destacar que os papéis não estão sendo negociados diretamente na B3. Afinal, estes operam apenas como certificados das ações.

Sendo assim, quando esses investimentos são emitidos de forma autônoma pelas instituições, são denominados de BDRs não Patrocinados. Por outro lado, os BDRs Patrocinados são aqueles que uma empresa internacional apenas coordena.

Conheça as 5 BDRs mais negociadas na Bolsa de Valores em 2021
Logomarca Tesla

1 – Tesla (TSLA34)

A Tesla é uma montadora de carros elétricos. Seu criador é nada mais do que Elon Musk, o homem mais rico do mundo. Recentemente, a empresa foi eleita a maior montadora do mundo, tomando o posto da Toyota.

Além disso, foi a primeira companhia em seu setor a alcançar o valor de mercado de US$ 1 trilhão. Vale lembrar que dentre todas as companhias norte-americanas, a Tesla é a sexta a alcançar essa quantia, ficando atrás apenas da Apple, Microsoft, Alphabet, Amazon e Facebook.

2 – Mercado Livre (MELI34)

O Mercado Livre é mundialmente conhecido por ser uma companhia que entrou para a história na área de logística. Nascida em território argentino, hoje o Mercado Livre é uma das maiores empresas de entrega do mundo.

Além disso, o negócio apresentou ótimos resultados no segundo trimestre de 2021. O lucro líquido foi de US$ 68,2 milhões. Isso é o equivalente a um aumento 93,9% na comparação com o mesmo período de 2020.

Já no Brasil, a receita líquida aumentou 101% neste trimestre. A operação brasileira já representa 55,9% da receita líquida total da companhia.

3 – Amazon (AMZO34)

A empresa, que tem o nome inspirado na Floresta Amazônica e que foi fundada pelo segundo homem mais rico do mundo, também entrou para lista de BDRs mais requisitadas na B3.

Vale lembrar que, no segundo trimestre de 2021, a companhia arrecadou US $113,08 bilhões em lucro líquido, isto é, um crescimento de 27% em comparação com o mesmo trimestre em 2020. No início da pandemia, perto do segundo trimestre do ano passado, o faturamento da Amazon aumentou 41% em relação aos lucros anteriores.

4 – Apple (AAPL34)

A Apple, empresa que dispensa apresentações, é um ícone da tecnologia. Criada por Steve Jobs e Steve Wozniak em 1976, nos Estados Unidos, a Apple é responsável pela produção do iPhone, iPad, Mac, iPod, Apple Watch e Apple TV.

A rede Apple Store conta com 510 lojas físicas em 25 países, o que inclui o Brasil. Vale ressaltar que 279 delas estão localizadas nos Estados Unidos.

Dessa forma, O portfólio de aplicativos profissionais e para o consumidor incluem o iPhone OS (iOS), OS X and watchOS operating systems, iCloud, Apple Pay e uma enorme variedade de acessórios, serviços e suportes.

5 – Alphabet (GOGL34)

Alphabet nada mais é do que uma holding. Basicamente, um conglomerado que possui diretamente várias empresas que foram pertencentes ou vinculadas ao Google. Isso inclui o próprio Google. Dessa forma, a empresa é sediada na Califórnia, nos Estados Unidos, e foi fundada pelos cofundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin.

No segundo trimestre do ano, a companhia registrou um lucro por ação de US$ 26,29, acima dos US$ 15,82 esperados pelo mercado. Além disso, a receita da empresa no período foi de US$ 55,314 bilhões, o que também ficou acima do projetado. Isso é um aumento de 34% em relação ao mesmo período de 2020.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais