BR Distribuidora (BRDT3) autoriza programa de recompra de ações limitado a R$1,5 bilhões

De acordo com a companhia, a recompra tem o objetivo de adquirir papéis para a manutenção das ações em tesouraria, cancelamento ou alienação

Nesta quinta-feira (29), o conselho de administração da BR Distribuidora (BRDT3) aprovou o programa de recompra de ações ordinárias. O projeto é limitado ao valor R$ 1,5 bilhão, com um prazo de até 18 meses.

De acordo com a companhia, o programa vai surtir efeito somente a partir de 11 de agosto, além de poder contar com cerca de 116,5 milhões de ativos, o equivalente a 10% do total de papéis em circulação.

Em suma, a recompra tem o objetivo de adquirir papéis para a manutenção das ações em tesouraria, cancelamento ou alienação. Dessa forma, as instituições Bradesco, Citigroup, Credit Suisse, Itaú, Merrill Lynch e Morgan Stanley intermediaram o programa.

Motivos da recompra

A decisão de aprovar o projeto, tomada pela administração da BR Distribuidora, se baseia no olhar da companhia em relação ao potencial de deslanchar a valorização da empresa. A BR ainda acrescentou que a administração enxerga no programa uma oportunidade de alocação de capital.

“Esta percepção ancora-se não apenas em todas as ações já implementadas desde sua privatização, que a levaram a um novo nível de eficiência e rentabilidade, mas também nas oportunidades e ações ora em curso… que deverão contribuir significativamente para sua já robusta e resiliente geração de caixa”, afirmou a empresa.

BR Distribuidora (BRDT3) autoriza programa de recompra de ações limitado a R$1,5 bilhões
Posto de abastecimento BR distribuidora (Reprodução: Reuters)

Ex subsidiária da Petrobras

A Petrobras (PETR3 e PETR4) vendeu as ações da companhia BR Distribuidora no final de junho deste ano. Com isso, a petrolífera conseguiu arrecadar R$ 11,4 bilhões com a venda dos ativos.

oferta pública secundária (follow-on), considerada como a maior do país, colocou a venda os 37,5% que a Petrobrás tinha da companhia. Além disso, o preço por ação ficou em R$ 26, com um desconto de 2,55% em relação ao preço do último fechamento.

Em suma, quem acabou levando a melhor com a follow-on foram os investidores estrangeiros, que adquiriram 149,058 milhões de ações, cerca de 34% do total dos papéis (436,875 milhões de ativos).

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais