“Com a onda de acontecimentos no cenário doméstico e global, o mercado tem enfrentado momentos de grandes turbulências”

Atualmente, a Bolsa de Valores conta com mais de 1 milhão de pessoas físicas investindo em ações, a parcela, segundo dados da B3 referentes ao mês de outubro deste ano, equivale em aproximadamente 19% dos investimentos. Além disso, atualmente, há um fluxo significativo de negociações por parte de estrangeiros em ações no Brasil, ainda segundo os dados da B3 e outubro, a parcela representa 46,2% dos investimentos em ações. O momento de grande volatilidade foi também um fator que atraiu pessoas para o mercado acionista, já que a alta rentabilidade atrai o investidor, com a queda da Selic caindo cada vez mais. Recentemente, com a onda de acontecimentos no cenário doméstico e global, o mercado tem enfrentado momentos de grandes turbulências, o que resulta em altas e baixas na Bolsa de Valores.

O Coordenador de Analistas de Investimentos da Nova Futura Investimentos, Leandro De Checchi, dá dicas para quem deseja começar a investir. Checchi explica que para começar os investimentos, é necessário que o investidor antes mesmo de abrir a conta, estude sobre o mercado acionista, para entender como funcionam as variações. “É necessário que a pessoa interessada em investir comece entendendo o mercado e suas movimentações. Hoje existem diversos cursos para aprender a investir”, afirma. Depois de compreender o funcionamento do mercado, é hora de abrir a conta, Checchi ressalta que deve ser uma corretora confiável. “O momento de abrir uma conta é o momento de colocar em prática o aprendizado, por isso é necessário ter a conta em uma corretora confiável, com boas carteiras”.

O Coordenador de Analistas de Investimentos conta que além destes pontos, o investidor deve começar pelas grandes empresas, normalmente as que fazem parte do índice Ibovespa. “As ações que compõem o índice Ibovespa são um bom começo, então as grandes empresas são ideais para quem está iniciando”, afirma. Para ele, o ideal é não colocar um dinheiro que o investidor precisará em curto prazo, já que isso pode comprometer o rendimento. “Não se deve aplicar um dinheiro que vá precisar em curto prazo pois pode atrapalhar as operações”. Para Checchi, é indispensável que o investidor acompanhe a evolução com analistas da corretora escolhida. “Acompanhar a evolução com analistas da corretora é indispensável, é preciso ter controle dos rendimentos. Além disso, é necessário que o investidor trabalhe também com limites de perda, o mercado acionista é de risco”, finaliza o Coordenador de Analistas de Investimentos da Nova Futura Investimentos.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: