O Bitcoin é imune à inflação? Saiba usar a criptomoeda como uma “vacina” para os seus investimentos

A inflação assusta, mas o Bitcoin pode representar certa imunidade em uma batalha contra estes sintomas

A inflação no Brasil atingiu patamares inesperados. Isso porque, com os preços cada vez maiores e o poder de compra da população enfraquecido, os investidores se veem preocupados e apreensivos. 

Chegando a 8,35% no acumulado de 12 meses, a inflação não pretende parar. As perspectivas mostram que a taxa vai continuar subindo, principalmente com questões como o frio intenso e a crise hídrica.

Nesse cenário, o mercado financeiro se encontra aflito. Então, a pergunta vira: como proteger os investimentos da inflação? É aí que o Bitcoin aparece em cena, podendo ser uma espécie de “vacina” contra a inflação e seus sintomas.

 

Imunidade garantida ?

De acordo com Ricardo Dantas, especialista e CO-CEO da Foxbit, corretora brasileira de criptomoedas, o Bitcoin foi criado para ser imune à inflação. 

O Bitcoin por conceito é feito para ser imune à inflação no mundo inteiro, uma vez que a grande maioria dos produtos são dolarizados. Com o tempo, o BTC consegue garantir o poder de compra para os países que o utilizarem como referência de preço”, afirma.

“Assim como tivemos a mudança da referência do ouro, é possível pensarmos no Bitcoin como uma referência de preço. Da mesma forma, existem outras moedas com um conceito anti-inflacionário, como o Litecoin”, completa Dantas.

Já que o Bitcoin é imune, por que não implementá-lo como moeda?

Ter o Bitcoin como moeda oficial de um país não é uma realidade muito distante, isso porque já existe um país que vive isso.

O El Salvador, localizado na América Central, se tornou o primeiro lugar a adotar o BTC como moeda legal em meados de junho deste ano. No entanto, fazer esta adoção é um movimento arriscado para alguns especialistas.

A moeda criptografada não possui uma regulação própria, por isso ainda está se provando e apresentando seus prós e contra. Assim como, questões que serão levantadas frente ao modelo financeiro atual.

O Bitcoin é imune à inflação? Saiba como usar a criptomoeda como "vacina" para os investimentos
Ilustração Bitcoin contra a inflação

Volatilidade como reação

Além da falta de regulamentação, a volatilidade do Bitcoin pode assustar. O criptoativo possui uma história bem intensa nesse sentido, tendo valorizado 800% em 1 ano, chegando a US$ 64 mil. No entanto, recentemente, a moeda passou por uma forte queda e está no valor de US$ 38 mil, o menor em 2021.

De acordo com o especialista Rafael Izidoro, CEO da Rispar, plataforma digital que atua como correspondente bancário, a volatilidade do BTC não deve impedir o investidor.

“O Bitcoin tem princípios sólidos e oferece uma alternativa inovadora ao sistema econômico atual. A alta volatilidade faz parte de um mercado em maturação e deve diminuir com o tempo, dado o aumento na adoção e um maior conhecimento da população sobre a rede”, afirma Izidoro. 

Em suma, vale lembrar que é preciso ter uma diversificação de investimentos, assim como planejamento para possíveis perdas e crises. Uma boa estratégia é a vacina mais eficaz dentro do mundo financeiro: montar uma carteira com diferentes tipos de ativos. 

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais