Alibaba pode ser multada em US$ 1 bi e EUA ampliam sanções à Huawei

Reguladores chineses consideram multar o Alibaba em mais de US$ 975 milhões pela suposta adoção de práticas anticompetitivas em sua plataforma de e-commerce. Apesar da cifra multimilionária, se concretizada, a sanção deve ser bem absorvida pela empresa, que só no último ano registrou US$ 20 bilhões de lucro líquido. A notícia consta no Wall Street Journal.

O jornalão de economia traz ainda a informação de que ontem o governo americano ampliou as sanções à Huawei, restringindo ainda mais o acesso da empresa à fornecedores de itens como semicondutores e baterias, essenciais para o desenvolvimento de dispositivos 5G.

Também informa que a União Europeia autorizou o uso emergencial da vacina de dose única da Johnson & Johnson. Os imunizantes da Pfizer, Moderna e AstraZeneca já estão sendo aplicados na região.

Alibaba pode ser multada em US$ 1 bi e EUA ampliam sanções à Huawei

Alibaba – radar internacional

Já a CNBC destaca que se passou um ano desde que a Organização Mundial de Saúde declarou o surto de coronavírus uma pandemia, e enquanto o Reino Unido e os Estados Unidos avançam em seus lançamentos de vacinação, a UE ainda está atolada nas profundezas da crise.

O bloco está atualmente passando por um programa de imunização letárgico e temores de outra onda de infecções estão sendo vistos de Paris a Praga.

No primeiro aniversário da crise de saúde pública, não há muito tempo na Europa para refletir sobre as perdas do ano passado – um ano em que a região viu mais de 547.000 pessoas morrerem do vírus e milhares perderam seus meios de subsistência.

Há casos crescentes em partes do bloco, em grande parte causados ​​pela disseminação de variantes mais infecciosas do vírus, da França, nação da UE, e através da Europa central, até a Hungria, no leste.

A França relatou 30.303 novas infecções por coronavírus nas últimas 24 horas na quarta-feira, com o número de novos casos subindo para mais de 30.000 pela primeira vez em duas semanas. Especialistas em saúde dizem que o sistema hospitalar na região metropolitana de Paris está perto do ponto de ruptura, informou a Reuters.

Enquanto isso, a Hungria, a República Tcheca e a Polônia registraram um aumento acentuado de casos que gerou urgência entre os governos da Europa Oriental para aumentar a taxa de vacinação. Tanto é verdade que vários países recorreram a romper relações com a UE ao autorizar a vacina contra o coronavírus da Rússia, Sputnik V , que ainda não foi aprovada pelo órgão regulador de medicamentos da UE.

Bulgária e Sérvia também estão entre os países com aumento de casos, assim como Suécia e Itália.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais