O que levar em consideração na hora de escolher um banco digital?

A tecnologia simplifica a interação entre banco e usuário, conseguindo transformar  um relacionamento entre o aplicativo e o cliente

A valorização dos bancos digitais é nítida. Não é de hoje que eles vêm conquistando o espaço dos bancos tradicionais, principalmente, em razão da praticidade, modernidade e o fim da burocracia. Isso porque basta ter um smartphone para, em poucos minutos, solicitar a abertura de uma conta digital e até cartões de crédito.

Sendo assim, hoje o canal de entrada é apenas um smartphone para a realização de transação, operação e atendimento ao cliente, sem necessidade de uma agência.

Desse modo, a tecnologia simplifica a interação entre banco e usuário, conseguindo transformar  um relacionamento entre o aplicativo e o cliente. A propósito, essa praticidade se assemelha aos serviços de delivery, transporte, streaming de vídeos e muitos outros avanços digitais.

 

Ascensão dos bancos digitais

Em suma, as fintechs pioneiras no mercado nasceram em 2013, acompanhando projetos e modelos inovadores para a época. De baixo custo e distribuição digital, já tinham o propósito de reestruturar o relacionamento e experiência dos clientes. 

No entanto, isso mudou com o cenário de pandemia, que veio à tona em 2020, impondo o distanciamento digital e impossibilitando o cliente de se dirigir até uma agência. A situação fez com que os bancos digitais ganhassem cada vez mais espaço no mercado.

De acordo com o Banco Central, ao menos 40 bancos digitais iniciaram suas atividades no ano passado. Isso em razão de uma série de fatores que contribuíram para o crescimento do setor, como os auxílios do governo, a implementação do Pix e o Open Banking.

Em contrapartida, existem brasileiros que ainda desconfiam da segurança e potencial dos bancos digitais. Uma pesquisa da Febraban apontou que 70% dos brasileiros não confiam em bancos, muito menos em fintechs.

Pensando nisso, Wagner Martin, diretor de desenvolvimento de negócios da Veritran Brasil, destacou 4 aspectos que podem ser considerados na hora de selecionar um banco digital:

1 – Onboarding Digital

Tendo em vista que a agilidade é o principal lema das fintech, isso por conta do onboarding digital, que caracteriza um processo que envolve as etapas iniciais de contato entre o cliente e a fintech. Logo, no caso dos bancos digitais, a instituição deve oferecer garantias de segurança aos usuários.

Além disso, o processo de abertura da conta consiste em simplesmente utilizar o smartphone e disponibilizar seus dados ao usuário. Ainda que, há verificação biométrica, que detém uma tecnologia capaz de validar a documentação, ratificando-a com uma entidade governamental. 

Portanto, a segurança dos bancos digitais se baseia nas regras das instituições tradicionais, que disponibiliza também a proteção de dados para evitar lavagem de dinheiro, fraude e/ou atividades criminosas.

O que levar em consideração na hora de escolher um banco digital?
Ilustração bancos digitais

2 – Autenticação por biometria facial

Desse modo, com a chegada dos bancos digitais, a cibersegurança moderna transformou a biometria facial em uma ferramenta indispensável, quando falamos de segurança das operações. Entretanto, grande parte dos celulares já oferecem essa função, e agora, esses recursos estão sendo incorporados aos serviços bancários.

Nesse sentido, os tokens físicos, senhas e os demais recursos adotados pelas instituições tradicionais durante anos, atualmente, foram deixados de lado, para evitar dor de cabeça e descomplicar a vida das pessoas. 

Em resumo, a biometria facial possibilita autenticar a identidade do cliente, que, por meio de um simples scan facial, pode realizar login na plataforma, autorizar uma operação ou até mesmo realizar um pagamento.

3 – Geolocalização

Já a função de geolocalização, representa uma ferramenta valiosa para coletar informações mais específicas e culturalmente contextualizadas sobre os usuários, facilitando a relação entre o banco e o cliente. 

Nesse sentido, a localização disponibiliza dois benefícios essenciais. Bem como, possibilita que o cliente continue gerando confiança e a facilidade de personalização da experiência financeira.

4 – Personalização

Uma prática que os bancos digitais integraram desde o início, foi a personalização. Visto que, essa prática  transformou todas as interações do cliente em novas funcionalidades úteis para cada cliente em particular.

Nesse sentido, os bancos digitais simplificaram a compreensão das finanças, adicionando ferramentas de informação de fácil compreensão. Não apenas um contador de equilíbrio e movimentos estáticos que não prevêem ou fornecem informações valiosas ao cliente.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais