Inovação do sistema financeiro: 6 ferramentas que poderão ficar inutilizáveis nos próximos anos

A transformação digital permitiu que o setor evoluísse de forma exponencial nos últimos anos

O sistema financeiro brasileiro vem passando por transformações que impactam não apenas instituições financeiras e empresas, mas também os consumidores. Bem como, a chegada de tecnologias como o QR Code, PIX e iniciadores de pagamentos.

Ao recordar, as opções de serviços nas instituições tradicionais eram bastante limitadas e burocráticas. Logo, a tecnologia trouxe as estratégias do Open Finance, que facilita todo o processo ao consumidor. Isto posto, surge o questionamento: “o que acontece com as ferramentas que até pouco tempo atrás eram essenciais para o funcionamento do sistema financeiro?”.

Para Caio Bretones, sócio fundador e CEO da Mobile2you, mobile-house focada no desenvolvimento de aplicativos financeiros sob medida, as novidades que surgiram nos últimos anos foram e continuam sendo essenciais para a evolução do sistema financeiro brasileiro. Entretanto, neste processo, é inevitável que algumas funcionalidades anteriores se tornem obsoletas.

Pensando nisso, Bretones listou 6 serviços e ferramentas financeiras que estão ou se tornarão obsoletas ao passo que o Brasil avança rumo ao ápice da inovação do setor.

Boletos e carnês

Em primeiro lugar, têm os boletos e carnês, que alguns anos atrás eram utilizados por todos. No entanto, além de ultrapassados frente às inovações tecnológicas, não são sustentáveis. Dado que, para sua produção, há necessidade de papel, tinta e energia elétrica.

Esses meios de pagamento, durante um bom tempo, ditaram regras no sistema financeiro e eram unanimidade entre os serviços, principalmente, para quem não possuía cartão de crédito.

“Quanto à sustentabilidade, os carnês e boletos digitais, aqueles gerados dentro do site ou app da instituição financeira sem que haja a necessidade de impressão, são uma boa saída para que o meio de pagamento sobreviva por mais alguns anos”, afirmou Caio.

Cartões e maquininhas

Atualmente, com apenas um smartphone, o consumidor consegue efetuar qualquer tipo de transação financeira. Antes o cliente precisava se locomover até o banco, mas agora tudo pode ser feito em questão de segundos apenas com alguns cliques.

Desde meados dos anos 50, os cartões tiveram um papel essencial para fomentar o poder de compra dos brasileiros. Contudo, não há mais necessidade deles. Isso porque desenvolveram uma série de alternativas para substituí-los.

Como, por exemplo, as pulseiras de pagamento, transferências instantâneas gratuitas, cartões digitais, QR Code, entre outras. Além disso, o PIX representa um grande vilão para a continuidade da existência dos cartões de débito.

Inovação do sistema financeiro: 6 ferramentas que poderão ficar inutilizáveis nos próximos anos
Ilustração fim das ferramentas financeiras

TED e DOC

O principal diferencial entre as duas modalidades é o prazo em que o valor é disponibilizado na conta do destinatário. Ou seja, o recebimento da TED ocorre no mesmo dia se realizada até às 17h, e DOC apenas no dia seguinte à transação.

Sendo assim, antes mesmo de selecionar qual tipo de transferência realizar, o valor máximo também era uma questão. Uma vez que a TED possibilita a realização de transferências maiores do que R$ 5 mil, já o DOC, não. 

A propósito, as regras de transferência TED e DOC se tornaram irrelevantes em um cenário dominado por inovações tecnológicas,  já que o PIX supriu a necessidade com mais agilidade e menos burocracia.

Segundo os dados do Banco Central e da Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP), em apenas 2 meses, o PIX superou TEDs e DOCs em volume de transações. Atualmente, o sistema representa um dos meios de pagamento preferidos entre os consumidores.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais