Especialista aponta cinco tendências para bancos digitais em 2021

De acordo com a FICO, empresa mundial de software de decisão e análise preditiva, 65% dos brasileiros preferem abrir uma conta bancária online. Desse total, 43% preferem utilizar aplicativos. Para o fundador e CEO da Mobile2you, Caio Bretones, essa nova perspectiva pode ter sido intensificada pela pandemia, mas veio para ficar. O executivo à frente da empresa de tecnologia que criou mais de 50 aplicativos sob medida focados em bancos digitais nos últimos três anos aponta as cinco principais tendências para o segmento em 2021.

“Por acompanharmos de perto o universo de soluções de tecnologia para o mercado financeiro, temos uma visão mais objetiva de funcionalidades que estão em crescente no mercado e que, combinadas, podem ser diferenciais para os bancos digitais neste ano”, afirma Bretones. Para ele, corporações que criaram unidades internas de negócios financeiros nos últimos anos conseguiram se movimentar com pioneirismo. A questão, agora, é como manter o engajamento e relevância para os usuários dessas plataformas, dando continuidade às receitas provenientes das ofertas de produtos financeiros.

Bancos Digitais: 5 tendências

  1. Microcrédito – o microcrédito pessoal sem garantia e microcrédito para capital de giro para pequenas e médias empresas são realidades entre diversos players que saíram na frente com essa categoria de proposta. Tornou-se algo mais simples de ofertar e sem tanta burocracia, sendo possível identificar limites pré-aprovados nas próprias plataformas que oferecem o serviço, e definir a forma de retorno dos créditos adquiridos.
  2. Microsseguro – linha de serviço complementar para maior monetização da base de clientes por meio da oferta de microsseguro pessoal com planos acessíveis. As plataformas que oferecem microsseguro ao usuário final contam com boas margens, como seguros de vida e viagem.

São muito comuns de encontrar microsseguros pessoais com apólice válida por 30 dias, que mediante a compra do seguro o cliente recebe também um título de capitalização para sorteios, o que massifica o produto de seguro.

  1. HaaS – Health as a Service – módulo de saúde que compõe a jornada do usuário presente em super-apps do mercado. O serviço conta com rede credenciada de médicos, laboratórios e clínicas, podendo ser oferecido como assinatura mensal, gerando ainda mais valor para o usuário.
  2. Loyalty – para maior lealdade do usuário final ao banco digital, outro ponto de grande relevância é saber promover o plano ou incentivo de fidelidade.

Existem diversas maneiras de cumprir uma jornada minimamente interessante e que converta o usuário.

As formas para cumprir esse incentivo ao usuário passam por cashbacks com regras diferenciadas, programas de marketing de recomendação convertendo pontos em produtos, vantagens via marketplace de estabelecimentos comerciais, que eventualmente podem explorar o plano mensal de contratação, gerando ainda novas linhas de receitas para o idealizador da plataforma.

  1. Conta Escrow – para contas digitais focadas também no universo das necessidades de Pessoas Jurídicas, a conta Escrow funciona como uma conta caução, permitindo que negócios sejam fechados com a garantia dos valores envolvidos estarem assegurados em um banco terceiro. Com todas as cláusulas do acordo comercial cumpridas, os valores são liberados para o vendedor da operação. Para os bancos digitais, essa oferta é um micro-serviço financeiro com margens bem interessantes para a realização de negócios entre partes com menor risco.
  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais