BTG Pactual integra carteira 2021 do Índice CDP Brasil – Resiliência Climática

O BTG Pactual (BPAC11), maior banco de investimentos da América Latina, integra pelo segundo ano consecutivo, o Índice CDP Brasil – Resiliência Climática (ICDPR-70), que mensura o desempenho dos papéis de empresas com práticas diferenciadas em gestão climática, alinhado às tendências globais e recomendações de acordos internacionais. O índice busca quantificar o desempenho financeiro das organizações frente ao tema da mudança do clima.

“O BTG Pactual é o único banco de investimento a compor a carteira do índice ICDPR-70 de 2021, se mostrando na vanguarda do caminho da sustentabilidade. Estamos alinhados às boas práticas do mercado e comprometidos em entregar resultados para nossos clientes que vão além do retorno financeiro e impactam positivamente a sociedade e o meio ambiente”, afirma Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual.

BTG

O ICDPR-70, criado em 2020, premia as companhias por suas boas práticas em termos de riscos e oportunidades ligados às mudanças climáticas. As empresas foram selecionadas por meio da participação no Carbon Disclosure Project (CDP), questionário voltado para a gestão de carbono e alinhado às recomendações do Task Force on Climate-Related Financial Disclosure (TCFD), força-tarefa ligada ao Financial Stability Board, organização internacional que monitora e elabora recomendações sobre o sistema financeiro, apoiado pelo BTG Pactual desde de 2015. O questionário é divido em 15 seções, com perguntas sobre governança, estratégia de negócios, emissões de carbono, metas, formas de engajamento, entre outros.

“Compor o Índice de Resiliência Climática é um verdadeiro orgulho para nós, uma vez que reconhece que estamos tomando ações coordenadas para endereçar as questões climáticas. A nota atribuída ao BTG Pactual é maior do que a nota média das companhias da América do Sul (D)”, destaca Rafaella Dortas responsável por ESG no BTG Pactual.

  • Só clique aqui se já for investidor

Índice

A entrada do BTG Pactual no índice vem se somar às demais iniciativas do banco voltadas à estratégia ESG. Em 2019 e 2020 o banco compensou 100% das emissões de carbono decorrentes de suas operações no mundo, incluindo deslocamentos e viagens a trabalho. Em 2020 o BTG deu mais um passo e compensou também 100% das emissões de sua rede de agentes autônomos, que hoje conta com 90 escritórios. Ainda no ano passado, o Banco criou área de Investimento de Impacto para fomentar a criação de produtos e serviços que unam retorno financeiro com impacto socioambiental positivo e se tornou signatário da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unep-FI).

Em outubro, o BTG Pactual lançou o primeiro ETF ESG do Brasil, e em novembro, a estratégia Landscape Capital, que se dedicará a soluções climáticas naturais a partir da compra de terras devastadas brasileiras e de outros países da América Latina para reflorestamento com mata nativa. E no final de 2020, o banco passou a integrar o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3), que reúne em carteira 39 empresas listadas na bolsa com melhor desempenho em sustentabilidade.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais