A Oi (OIBR3) pretende entrar em leilão 5G com novo sócio e também quer criar marketplace, segundo o Globo.

Segundo o jornal, a estratégia é vender os mais variados serviços e produtos digitais através da criação de um grande marketplace onde consumidores e empresas poderão comprar desde eletrodomésticos até contratar empréstimos e serviços de segurança residencial.

A lista, extensa e que ainda vai passar por uma curadoria no próximo ano, tem como base o investimento em fibra óptica.

Por isso, a tele carioca deve participar do leilão de 5G, previsto para 2021.

OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos

Certame

A participação no certame da quinta geração também faz parte das conversas que a Oi vem mantendo com os interessados em comprar até 51% da InfraCo, empresa que vai ser dona da rede de infraestrutura para oferecer banda larga, diz Rodrigo Abreu, presidente da Oi.

Atualmente, há ao menos dez interessados disputando o ativo que tem valor mínimo de R$ 20 bilhões e está na fase vinculante. As propostas devem ser recebidas em outubro, destacou Abreu.

Para o executivo, a discussão com os futuros sócios sobre a participação no leilão 5G faz parte da estratégia de prestação de serviço, mas do ponto de vista de operação, a companhia não pode depender disso para tomar suas decisões estratégicas.

Conforme ele, a tele está fazendo os dois processos em paralelo. Entrar no leilão é uma possibilidade até porque o 5G, diferente de 3G e 4G, que são voltados para o serviço móvel pessoal, abre fronteiras para você fornecer outros serviços, como o acesso sem fio residencial (FWA), internet das coisas e redes privadas a empresas. “Não existe 5G sem fibra”, frisou.

Veja OIBR3 na Bolsa:

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: