A empresa de cana-de-açúcar, etanol e bioenergia Biosev (BSEV3) registrou prejuízo líquido de R$ 280,8 milhões no primeiro trimestre da temporada 2020/21, ante perda de R$ 163,7 milhões em igual período do ano anterior, em resultado impactado principalmente pela variação cambial, com a companhia lidando com elevado endividamento em dólar.

Nesta quinta-feira (17), a Biosev também informou que Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiram R$ 321 milhões no trimestre, alta de 10% em comparação anual, em meio a uma disparada no faturamento anterior de bons resultados obtidos com o açúcar e nas lavouras.

“Esses resultados se devem às melhorias na qualidade do nosso canavial, nos tratos culturais e eficiência operacional”, disse o presidente da companhia Juan José Blanchard.

Biosev (BSEV3) negociação possível venda para Raízen Energia

Matéria-prima

Ele ainda ressaltou recordes para o período na qualidade da matéria-prima, medida pelo Açúcar Total Recuperável (ATR) de 129 quilos por tonelada de cana, além de um aumento de 2,9% na produtividade média dos canaviais, para 94,5 toneladas por hectare.

A receita líquida da empresa, uma das maiores do setor no Brasil, chegou a R$ 2,7 bilhões no período, superando em 53,4% o montante de mesmo momento do ano passado, impulsionada especialmente pela comercialização de maiores volumes de açúcar no mercado externo e pelo maior volume de moagem.

A Biosev, braço de açúcar e etanol do grupo Louis Dreyfus, reportou também recorde para o período no processamento de cana, que subiu cerca de 7%, para 11,6 milhões de toneladas.

BSEV3: mix

O mix de produção da companhia no período favoreceu o açúcar, com 51,6% da cana sendo destinada ao adoçante, em função da rentabilidade maior do produto frente ao etanol. O nível supera em 17,9 pontos percentuais o visto em igual período de 2019/20.

A companhia afirmou que as perdas com a desvalorização de 42,9% do real frente ao dólar foram parcialmente compensadas pelo aumento na receita líquida e por maiores ganhos na liquidação e marcação a mercado de posições em derivativos.

Mas o fato de a empresa ter a maior parte de sua dívida em moeda estrangeira resultou em aumento de 36% no endividamento, para R$ 7,3 bilhões no primeiro trimestre da atual temporada.

BSEV3: Raízen

Questionados se a negociação anunciada para aquisição da Biosev pela Raízen, joint venture da Cosan com a Shell, poderia ser a solução para a dívida, os executivos afirmaram que as conversas ainda são preliminares e preferiram dizer que o caminho para o problema é uma melhoria contínua operacional.

A Biosev afirmou na semana passada que manter as primeiras horas para a venda de suas operações para a Raízen Energia.

“As nossas conversas com Raízen são preliminares e não temos nada vinculante assinado”, completou o CEO.

O diretor financeiro da Biosev, Leonardo Oliveira D’Elia, admite que uma companhia tem um nível de alavancagem alto, mas uma única forma de “endereçar esse ponto é com as entregas operacionais”.

“Elas são muito fortes e vão pavimentar o caminho para a redução da alavancagem”, afirmou, evitando vincular uma solução para a dívida com eventual acordo com a Raízen.

Veja BSEV3 na Bolsa:

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: