“O seu funcionamento é semelhante a um condomínio, ou seja, todos os custos e benefícios são divididos igualmente entre todas as pessoas que fizeram a aplicação nesse fundo”

O Fundo de Investimentos Ações (FIA) aloca os recursos apenas em ações de empresas. São fundos que tem o objetivo de investir no mercado de renda variável, sendo uma alternativa para investir na bolsa de valores sem precisar avaliar e adquirir sozinho uma ação de uma determinada companhia. Todos os FIAs, possuem um regulamento onde está descrito todas as políticas de investimentos, o tempo de aplicação e os riscos, esse é um modo de deixar claro para o investidor todos as vantagens e desvantagens de investir nesse tipo de fundo, pois a relação de risco e retorno pode ser interessante para alguns e causar pânico em outros.

Quando o investidor faz uma aplicação num fundo como esse ele está confiando que um gestor irá escolher as melhores estratégias, para a carteira de ativos de renda variável. “O gestor é o grande mágico deste produto financeiro. É importante saber quem é e sua história no mercado financeiro. O seu funcionamento é semelhante a um condomínio, ou seja, todos os custos e benefícios são divididos igualmente entre todas as pessoas que fizeram a aplicação nesse fundo, e o rendimento é de acordo com o desempenho total de todos os ativos que compõem a carteira. Por exemplo, se o Fundo tem R$ 100 mil e um investidor aportou R$ 10 mil, logo esta pessoa detém 10% das cotas e receberá nesta proporção os lucros”, conta Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1 Bilhão Educação Financeira.  Um ponto muito atrativo no FIA, é a diversificação, pois o fundo é composto de vários ativos, resultando em ganhos mais equilibrados e consistentes, e em momento de quedas no mercado, essa carteira diversificada tende a diminuir perdas de capital.

Os ganhos podem ser ótimos, mas existem muitos riscos ao investir no mercado de ações, como o risco de mercado, que está atrelado a volatilidade e à variação dos preços dos ativos, que podem variar bastantes de acordo com os acontecimentos políticos e econômicos. Existem fundos que chegam a desvalorizar 30% em um único mês, por exemplo.

O que fazer?


Investir nesse tipo fundo geralmente é muito mais seguro do que um leigo ou iniciante investir sozinho na Bolsa, se arriscando e sendo exposto a riscos maiores, porque a gestão é efetuada por um gestor profissional que está mais preparado e tem contato com o mercado diariamente. “Como esse fundo também possui um grande número de investidores, os custos são bem menores porque são divididos entre todos.  E o melhor, é uma ótima opção para diversificar e aproveitar os ganhos da renda variável, com uma consistência maior. O Fundo de Investimento em Ações (FIA) pode ser uma opção bastante rentável, mas o investidor tem que ter o perfil para esse tipo de investimento de risco, pois é um fundo que não é assegurado pelo FGC, ou seja, que há possibilidade de perder todo o dinheiro investido”, explica o Financista.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: