“Debêntures são títulos de dívidas de empresas privadas, ou seja, quem investe em debêntures se torna um credor da companhia, que financia suas operações em troca de pagamentos com juros”

Como quase tudo no mercado financeiro o nome é complicado. Mas na verdade é mais simples do que parece. Assim como o Tesouro Direto consiste em uma pessoa emprestar dinheiro para o governo e receber uma taxa de juros como recompensa pelo empréstimo, o CDB é emprestar dinheiro para o Banco e ele devolver também com uma taxa de juros, investir em debêntures nada mais é do que emprestar dinheiro para uma empresa e ela pagar uma taxa de juros em cima disso. Como tudo no mercado financeiro, o risco é sempre proporcional ao retorno, ou seja, quanto mais risco uma pessoa aceita correr, maiores as chances de ganhos financeiros. Tem um vídeo no nosso canal do youtube com uma explicação super simples. Corre e já se inscreve que a gente não para de produzir conteúdo bom.

Por que existem as debêntures?

Se uma empresa pode pegar um empréstimo com o Banco, porque ela pegaria dinheiro com uma pessoa? Esta é uma dúvida que todo mundo tem. Porém, é simples. As taxas de juros bancárias geralmente são altas, mesmo para uma empresa de primeira linha. Vamos supor que para ela conseguir um empréstimo no Banco Itaú a instituição cobrará 2% ao mês. Porém, se ela emitir uma debênture ela se comprometerá a pagar para o investidor 1,5%. Para o investidor é uma ótima taxa, tendo em vista que o rendimento da poupança não chega a 0,37% e para a empresa é bom porque ela economiza 0,5% de taxa de juros todos os meses. Em uma parcela mensal de R$ 10 milhões a economia é de R$ 50 mil todos os meses. Ótimo negócio, não?

Debênture tem imposto?

Debênture é isenta de imposto de renda. Calma, não são todos os tipos, não. As chamadas debêntures incentivadas, como o próprio nome diz, tem incentivo do governo para que as pessoas invistam e não tem imposto de renda sobre elas, acredita? Porém, só vale para empresas de infraestrutura, ou seja, que trarão algum benefício para a população, como construtoras de estradas e empresas que levam gás encanado para casas, por exemplo. As demais debêntures seguem a tabela regressiva dos fundos. O dinheiro aplicado até 6 meses 22,5%. De 6 meses a 1 ano 20%. De 1 ano a 2 anos 17,5% e depois disso 15%.

Quais investimentos tem garantia do FGC?

Diversos investimentos como: CDB, LCI, LCA, RDB, LC e letras hipotecárias são cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até o limite de R$ 250 mil, por CPF/Instituição Financeira. Infelizmente as debêntures não contam com a garantia do FGC.

Debênture tem risco?

Todo investimento tem risco, até mesmo a poupança ou o tesouro direto. Guardar dinheiro em casa também tem risco de roubo e da desvalorização com a inflação. Como sempre falamos, a coisa mais arriscada é não correr risco. Isso sim é muito arriscado. Com as debêntures é igual. O risco é de a empresa não pagar pelo “empréstimo” no prazo estipulado ou de ir à falência. Por isso, o ideal é sempre procurar empresas de primeira linha, sólidas, as chamadas AAA. Veja a nota delas, o chamado rating A+.

Como invisto em debênture?

Quem distribui as debêntures são os bancos e corretoras. O ideal é sempre investir através de uma corretora, como a Nova Futura Investimentos, que é uma das mais antigas do mercado e foi a fundadora da Bolsa de Valores de São Paulo. É bem simples abrir o cadastro. Uma outra forma, se você não entende muito sobre as empresas é procurar um fundo de investimento em debêntures, que geralmente só investem em debêntures incentivadas.

Investir em debênture vale a pena?

Pode ser uma excelente escolha dentro do processo de diversificação. Se você já possui um cofre de emergência, pode começar a analisar as debêntures. Investir através de fundos de investimento pode ser uma excelente alternativa para quem está começando.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: