Produtos de crédito são carro-chefe neste primeiro momento do open banking no Brasil

De acordo com o Grupo FCamara consultoria especializada em inovação e tecnologia para promover transformação cultural, digital e cognitiva, que tem uma área de atuação focada em Open Banking, neste momento, jovens de classe média e alta continuarão na mira das fintechs para produtos de crédito. No entanto, recém-bancarizados também passam a ser um púbico interessante tanto para as instituições tradicionais quando para as fintechs. Pandemia também impulsionará a aderência das pessoas aos serviços que utilizarão o open banking.

Embora o open banking esteja apenas dando seus primeiros passos no sistema financeiro brasileiro, já é possível ter algumas impressões a respeito de como o mercado se movimentará daqui para a frente. Assim, por meio de seu braço voltado ao open banking, a FCamara, consultoria especializada em inovação e tecnologia para promover transformação cultural, digital e cognitiva, já tem dados interessantes neste momento.

Open Banking

A partir da segunda fase de implantação, em que o relacionamento entre pessoas e instituições financeiras poderá ser compartilhado, a adoção do open banking será bastante direcionada pelas fintechs, que no momento focam as classes A, B e C com produtos de crédito e têm maior penetração na faixa etária de 20 a 30 anos de idade, por afinidade de comunicação e imagem.

Para os demais públicos, nota-se que ainda é necessário que se criem mecanismos de inclusão. A pandemia já iniciou este processo, pois bancarizou uma porção razoável da população mais carente para o pagamento do auxílio emergencial. Para se ter uma ideia do volume de pessoas alcançadas, apenas a Caixa Econômica cadastrou contas digitais para cerca de 100 milhões de pessoas, numa marca histórica para o sistema financeiro brasileiro.

  • Só clique aqui se já for investidor

BC

Quanto à divulgação do open banking, o Banco Central tem esclarecido o novo modelo por meios digitais, o que a torna pouco eficaz na cobertura da população que ainda tem acesso escasso à internet. Aliás, mesmo entre os bancarizados, uma parcela considerável está fora da inclusão digital e utiliza somente os meios tradicionais – agências bancárias, caixas eletrônicos, lotéricas – para tratar de sua vida financeira mostrando quão deficiente na educação financeira, mesmo para as classes mais altas, é o Brasil.

Ainda, é possível olhar para o sistema financeiro pioneiro em open banking, o Reino Unido, onde são oferecidos principalmente serviços de crédito em geral, seja por oferta de produtos diretamente, seja por oferta indireta no check-out ou na maquininha no comércio.

Referência

Porém, os dados de Reino Unido são uma referência e não se aplicam diretamente ao Brasil. É preciso analisar diversos fatores para se realizar projeções no Brasil, por exemplo, aspectos culturais, regulamentações do mercado financeiro, empresarial, profissional, maturidade da tecnologia aplicada a instituições financeiras, mecanismos financeiros nacionais etc.

“Vemos que, mesmo o open banking sendo principalmente pensado para fomentar o ecossistema de fintechs, as instituições financeiras tradicionais também terão benefícios. Já temos ideia de como será a movimentação, mas ainda haverá muitos desdobramentos durante este ano de implantação”, afirma Ricardo Bendoraitis, Head Open Banking Strategy do Grupo FCamara.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais