Impacto da pandemia foi maior para trabalhadores jovens e menos escolarizados

O mercado de trabalho brasileiro segue deteriorado

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quarta-feira (14), a análise do desempenho recente do mercado de trabalho e perspectivas para 2021.

Apesar da melhora no segundo semestre de 2020, o mercado de trabalho brasileiro segue deteriorado. De acordo com dados da PNAD Contínua, embora a ocupação tenha voltado a crescer após ter atingido, em julho do ano passado, o menor valor da série (80,3 milhões), em janeiro deste ano, havia 86,1 milhões de trabalhadores ocupados no país, bem abaixo do observado antes da pandemia (94 milhões em janeiro de 2020).

Impacto da pandemia foi maior para trabalhadores jovens e menos escolarizados

Pandemia

Os trabalhadores com idade entre 18 e 24 anos foram os mais prejudicados pela pandemia. A taxa de desocupação subiu de 23,8% no quarto trimestre de 2019 para 29,8% no mesmo período de 2020, o que corresponde a quase 4,1 milhões de jovens a procura de emprego.

No recorte por escolaridade, a desocupação foi maior para os trabalhadores com ensino médio incompleto: alta de 18,5% para 23,7%, na mesma base de comparação. Em contrapartida, a ocupação dos que têm ensino superior continuou crescendo e houve alta de 4,7%, na comparação entre os números de trabalhadores nesta condição, nos respectivos trimestres de 2019 e 2020.

Ipea

A economista Maria Andreia Lameiras, autora do estudo, acredita que a crise sanitária potencializou as diferenças existentes no mercado de trabalho.

“À medida que os dados das PNADs contínuas foram disponibilizados, o cenário de forte deterioração, que conjuga desemprego elevado e aumento da subocupação e do desalento, foi se tornando cada vez mais evidente, principalmente nos segmentos mais vulneráveis, os jovens e os menos escolarizados, cuja probabilidade de transitar da desocupação e da inatividade para a ocupação, que já era baixa, se tornou ainda menor”, acrescentou a pesquisadora do Ipea.

O documento da Carta de Conjuntura do Ipea mostra que, no quarto trimestre de 2020, a taxa de desemprego para o sexo feminino (16,4%) foi superior à do sexo masculino (11,9%). No recorte regional, ainda no último trimestre do ano, as regiões Nordeste e Sudeste tiverem maior incremento na taxa de desemprego: de 13,6% para 17,2% e 11,4% para 14,8%, respectivamente.

Análise setorial

Na análise do emprego setorial, o segmento de serviços foi o maior prejudicado, com queda de 28% na ocupação no quarto trimestre de 2020, fortemente impactado pela paralização do setor em virtude do distanciamento social imposto pela pandemia.

A perspectiva para 2021 é que, apesar da expectativa de aceleração da atividade econômica, as vagas geradas não devem ser suficientes para suprir não apenas os desocupados como também quem deve sair da inatividade. Sendo assim, a taxa de desocupação deve seguir elevada.

A análise tem como base o cruzamento de diversos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do IBGE e do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais