Executivo fala sobre investimento estrangeiro e dá dicas

Em seu primeiro discurso no Congresso Americano, o presidente Joe Biden declarou que os Estados Unidos estão finalmente “prontos para o arranque”, dando fortes indícios de que a economia está aquecida após a pandemia. Ele pediu apoio para a sua agenda em relação à aprovação de impostos e despesas e ampliação de gastos públicos com a infraestrutura.

A análise é de Leandro Araújo, diretor dos serviços financeiros da IBC Consulting e CEO da Trust Network Corp, para quem a equipe também quer implementar um plano de estímulos de 1,9 trilhão de dólares, além da luta atual para obter apoio para o investimento em infraestrutura, no valor de US$ 2,3 trilhões. “E este cenário próspero é um verdadeiro chamariz para quem deseja morar no país, internacionalizar seus ativos ou apenas ter uma empresa em terras estrangeiras”, disse.

Investimento

Entretanto, frisou, é bom lembrar que mesmo diante de tantos estímulos para empreender, é preciso ter cuidado redobrado. “Afinal, estamos falando sobre dólar e ter prejuízos com essa moeda pode ser desastroso. E neste contexto, entram as consultorias que podem ser um verdadeiro guia para aqueles que desejam se lançar nesse mar de oportunidades.”

Para ele, além de entender os costumes legais, cultura e mercado onde irá operar, é preciso estar de pleno acordo com as leis que regem o país e se lançar nesse mar sozinho pode não dar muito certo, além de frustrar todas as expectativas.

“Todas as informações essenciais para que o projeto dê certo são reunidas e disponibilizadas por profissionais que atuam já há vários anos neste tipo de segmento e podem assessorar empresas ou pessoas que desejam empreender na localidade. Além disso, fazer um planejamento tributário antes de iniciar o projeto também é aconselhável”, destacou.

  • Só clique aqui se já for investidor

Economia

De acordo com Araújo, antes mesmo de exportar seus produtos ou serviços, é preciso entender o tamanho da demanda, estudar a viabilidade do projeto e se preparar para se adaptar aos gostos locais. “Muitos se questionam se existe um momento certo ou ideal para ampliar o negócio no exterior ou investir em um negócio fora do Brasil. Mas no âmbito empresarial, se a empresa estiver em um segmento em que a alta do dólar barateie seus custos, talvez seja esse um bom momento. Se levarmos em conta o lado pessoal, é recomendado sempre diversificar a alocação patrimonial, sendo que de 30% a 50% esteja em dólar”, ressaltou.

Mas, ponderou, internacionalizar negócios não significa ficar somente nos Estados Unidos. Uma pesquisa recente feita pelo site USNEWS colocou a Tailândia como o melhor lugar para se começar um negócio. Outros países como Reino Unido e Canadá também aparecem bem classificados, afinal são países que incentivam a atração de novos empreendimentos, onde a burocracia e os impostos não sejam impeditivos.

“Porém, se a ideia é continuar a morar no Brasil, temos uma boa notícia. Existem muitos negócios que não exigem a presença física de um gestor, como é o caso da receita passiva e aluguéis de imóveis. Mas se o objetivo for a manufatura e venda de um produto, é aconselhável ter uma equipe in loco”, elencou.

O executivo separou alguns pontos que podem ajudar quem está envolvido em um projeto deste tipo:

  • 1) Contratar consultoria;
  • 2) Analisar o estudo de mercado;
  • 3) Verificar o impacto dos impostos e uma possível blindagem patrimonial;
  • 4) Decidir qual país/estado tem mais sinergia com o propósito do negócio e seus sócios;
  • 5) Dar entrada na abertura da empresa;
  • 6) Contratar pessoas;
  • 7) Tirar as licenças e registros necessários;
  • 8) Começar a operar.

Araújo elencou que muitos se esquecem que o novo país não é exatamente igual ao Brasil, o que coloca em risco todo o projeto.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais