Setor do varejo armazena déficit de R$ 873,4 bilhões durante a pandemia, revela CNC

De acordo com Fabio Bentes, economista da CNC, a exceção está entre os segmentos de supermercados, bebidas e produtos alimentícios

Desde o início da pandemia, em 2020, um dos setores mais atingidos é o comércio varejista. De fevereiro de 2020 até maio deste ano, os dados divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apresentaram uma perda de R$ 873,4 bilhões.

De acordo com Fabio Bentes, economista da CNC, a exceção está entre os segmentos de supermercados, bebidas e produtos alimentícios, que avançaram nesse período. Ao contrário dos segmentos como vestuários, calçados, tecidos e equipamentos, os quais foram fortemente afetados.

Endividamento e previsão do comércio varejista

A propósito, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima um acréscimo significativo no setor do varejo, com a maior taxa nos últimos 9 anos, uma alta de 4,5%. No entanto, Fabio Bentes ressalta que é um parâmetro mais baixo do que o normal.

Desse modo, a Delloite, líder global na prestação de serviços, prevê um cenário econômico positivo. Até outubro, com o avanço das vacinas contra a Covid-19 e o retorno de diversas atividades. Portanto, os segmentos do turismo e eventos, por exemplo, devem retornar lentamente. Posto que, há uma demanda reprimida do setor.

No entanto, o economista-chefe da Deloitte, Giovanni Cordeiro, aponta para o prejuízo das empresas nesse período. “Só que o nível de endividamento de várias empresas cresceu”, ressalta.

O Banco de Compensações Internacionais (BIS) estima que as empresas que foram afetadas fortemente pela crise, devem levar cerca de dois anos para pagar as dívidas acumuladas.

Para o BIS, as empresas brasileiras, para se desfazer dos débitos, terão que dedicar 45% do lucro líquido. Para isso, haverá uma movimentação dentro das companhias para se recuperarem.

Setor do varejo armazena déficit de R$ 873,4 bilhões durante a pandemia, revela CNC
Setor do comércio de varejo acumula perda na pandemia

Valorização do e-commerce

Em contrapartida, o ano de 2020 revolucionou os hábitos, fazendo com que as empresas se reinventassem. Desse modo, o setor do e-commerce obteve uma valorização abundante nesse período, com vendas que registraram 73,88% de aumento.

Para o economista do Itaú Unibanco, Pedro Renault, a presença marcante do e-commerce permanece valorizada após a pandemia. As vendas online estimularam o setor de logística, que antes atuavam em grandes centros de distribuição em galpões, agora, investem no ‘last mile’ – entrega do produto na porta do cliente.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais