A Vale (VALE3) afirmou considerar “sem mérito” o pedido dos Ministérios Públicos Federal e Estadual de Minas Gerais para retomada de uma ação civil pública que buscava reparações empresa, da Samarco e da BHP pelo rompimento de uma barragem em Mariana (MG) em 2015.

Segundo a Reuters, na véspera os procuradores haviam solicitado em petição à Justiça o retorno imediato do processo bilionário movido contra as companhias pelo desastre na barragem de rejeitos de Fundão, que causou 19 mortes e poluiu o rio Doce. A unidade pertencia à Samarco, uma joint venture entre Vale e BHP.

Vale

Andamento

O andamento da ação está suspenso desde 2018, depois de acordo entre autoridades federais, estaduais e as empresas. No pedido para a retomada, os procuradores citaram “impasse na contratação das assessorias técnicas”, disse a Vale.

Essa obrigação era prevista no acordo com as autoridades, mas “atualmente encontra-se sob apreciação judicial”, argumentou a companhia.

O pedido

O pedido dos procuradores será avaliado pelo juiz responsável pela ação após manifestação das empresas, acrescentou a Vale no comunicado.

A Vale ainda negou que ela, a Samarco e a BHP estejam descumprindo obrigações referentes aos acordos assinados com as autoridades.

“As empresas consideram o pedido dos autores sem mérito, tendo em vista que não houve qualquer inadimplemento por parte das empresas de suas obrigações sob referidos acordos”, afirmou.

VALE3: a companhia

A companhia acrescentou ainda que o pedido não impacta nos trabalhos da Fundação Renova, constituída por ela e pela BHP para atuar na reparação dos danos, e não “altera os compromissos assumidos pelas empresas.”

Veja VALE3 na Bolsa:

Vale (VALE3): lucro líquido de US$ 995 mi no 2º tri e política de dividendos
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: