Um ambiente favorável para o aumento da Selic

Na próxima semana, um dos principais eventos que ficarão no radar do mercado é a reunião do COPOM e a decisão em torno da taxa de juros básica da economia, a SELIC.  Desde 2015 o conselho de política monetária não aplica medidas de endurecimento da política monetária, tendo em vista o cenário que se configurou favorável para a redução dos juros, tendo em vista a necessidade de estimular a economia o com o processo de queda na inflação, ao passo que a partir do governo de Michel Temer a percepção de risco em relação ao país diminuiu, contribuindo para redução do prêmio.

O afrouxamento monetário teve nova rodada e, mais abrupta no ano passado, devido ao avanço da COVID-19 fazendo com que os governos tomassem medidas de restrição social gerando fortes impactos na economia. Assim, ano que começou com a Selic em 4,5%, fechou o ano em 2,00%, uma das taxas mais baixas da série histórica:

Um ambiente favorável para o aumento da Selic

Na última reunião, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, se mostrou preocupado com o cenário fiscal do país. O andamento das reformas e os ruídos políticos contribuíram para que a taxa os DI’s futuros subissem devido ao aumento do prêmio em relação ao Brasil, haja vista que o risco foi se elevando, fazendo com que a autoridade monetária tirasse o foward guidence para fazer a política monetária.

Desde então, o Brasil passou por um período turbulento fazendo com que mais variáveis influenciassem as expectativas em relação à política monetária. Os ruídos na política devido as sinalizações de intervenção em companhias públicas com foi o caso do Banco do Brasil e Petrobras, fez com que o mercado ficasse incomodado com a possibilidade da agenda liberal ser ofuscada, com o governo cedendo ao populismo para fins eleitorais em 2022, adicionalmente, o fato de Lula se tornar elegível devido à decisão do ministro do STF Edson Fachin deu estimulo adicional para o temor ao populismo.

 A inflação também é um fator que contribui para o cenário adverso. A inflação de 12 meses chegou a 5,20% em 12 meses e foi de 0,86% em fevereiro, refletindo os preços dos combustíveis que recebem o impacto do ciclo das commodities e da desvalorização do real frente ao dólar e dos ajustes em educação. No entanto, preços de outras commodities também influenciaram fortemente o índice, principalmente no que diz aos alimentos, também contribui para o aumento na variação dos preços. 

Assim, tanto a inflação quanto os riscos fiscais, acabam por contribuir para que a perspectiva seja de elevação da Selic. Contudo, as altas nos juros tendem a ocorrer de forma gradual. A expectativa de crescimento negativo nos dois primeiros trimestres desse ano em meio ao avanço da COVID-19 e dos fechamentos de importantes cidades, faz com que o hiato do produto continue elevado, colocando uma restrição para uma alta mais abrupta. Outro fator que dá espaço para que elevação mais gradual da taxa de juros, em torno de +0,25 p.p e +0,50 p.p, é a aprovação da PEC fiscal e do auxílio emergencial com gatilhos que impedem a corrosão do teto de gastos.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais