Tegma (TGMA3) recusa oferta milionária de fusão com JSL (JSLG3); entenda o motivo

De acordo com a empresa de logística, o declínio consiste no entendimento de que a proposta não corresponde a um valor justo

Na última sexta-feira (16), a Tegma Gestão Logística (TGMA3) anunciou que declinou o convite da JSL (JSLG3) para a fusão e criação de uma terceira empresa, que havia sido apresentado no início deste mês.

A recusa foi uma decisão unânime do Conselho de Administração da Tegma, o qual contratou um escritório de advocacia para analisar a proposta. A oferta da JSL previa um pagamento de R$ 989 milhões aos acionistas da companhia, além de 15% das ações da terceira empresa.

De acordo com a Tegma, o declínio da oferta consiste no entendimento de que a proposta não corresponde a um valor considerado justo.

“Com base em nossa avaliação econômico-financeira, sujeito ao disposto acima e a outros fatores relevantes por nós considerados, é da nossa opinião que, na presente data, a proposta da JSL não reflete o valor intrínseco da Tegma”, afirmaram os sócios do Rothschild & Co Brasil, escritório contratado.

Reação do mercado

O mercado financeiro havia reagido de forma positiva à possibilidade de junção entre as empresas. De acordo com especialistas, o acordo poderia criar uma empresa ‘colossal’ do segmento de logística. Dessa forma, ela poderia ter capacidade de conseguir um faturamento anual de R$ 6,1 bilhões.

Portanto, com o anúncio da proposta feita no dia 2 de julho, as ações da Tegma chegaram a subir mais de 15%. Da mesma maneira, os ativos da JSL alcançaram uma alta de 5%.

O BTG Pactual (BPAC11), banco de investimentos que indica a compra de ativos das duas empresas, se pronunciou sobre a oferta. Ao contrário da decisão tomada, a instituição afirmou considerar o negócio “uma fusão entre dois gigantes”.

Em suma, segundo o valor de mercado corrente, a junção entre JSL e Tegma criaria uma das maiores empresas de logística do Brasil, que poderia ser avaliada em R$ 5,24 bilhões.

Combinação de negócios entre JSL e Tegma
JSL sugere fusão com Tegma para criação de companhia com receita de R$6,1 bilhões

Fusão entre JSL e Tegma

Com a união das companhias, a JSL teria um crescimento na receita bruta de 86%, gerando um aumento de R$2,8 bilhões. Já a Tegma, ganharia uma alta de R$6,1 bilhões.

A Simpar (SIMH3), dona da JSL, prevê que com a distribuição dos custos fixos e cross-selling devido a grande oferta aos acionistas da Tegma, poderia haver possíveis ganhos de sinergia. Com efeito, um acesso ao mercado capital e aumento do percentual de ações que circulam na Bolsa de Valores.

De acordo com o documento, cada acionista receberia um valor de R$ 15,00 por ação, além de 0,74 ativos da companhia. Por outro lado, os investidores ganhariam um pagamento de R$ 989 milhões, em vista que a JSL disponibilizaria mais 49,4 milhões de papéis.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais