Setor de minério tem aumento de 98% no faturamento do primeiro semestre de 2021

Ao total, o segmento arrecadou R$ 149 bilhões

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), o setor mineral teve um faturamento de R$ 149 bilhões só no primeiro semestre de 2021. As informações, que foram divulgadas nesta quinta-feira (22), incluem as maiores mineradoras do Brasil

Isso significa um crescimento de 98% em comparação com o mesmo período em 2020. Dessa forma, entre janeiro e junho do ano passado, o setor mineral conseguiu R$ 75,3 bilhões.

“De uma maneira geral, as commodities vêm sofrendo um aumento de preço. Algumas já registram uma certa estabilidade. Mas comparado com o ano passado, a combinação de preços e dólar leva a esse faturamento expressivo”, afirmou o diretor do Ibram, Wilson Brumer, sobre o motivo do aumento expressivo.

Comparações

O custo médio do minério de ferro, em toneladas, saiu de US$ 91,04 em 2020 para US$ 183,43 em 2021. Isso significa que teve uma alta de 101,5%. Além disso, outros minérios também subiram de preço, como foi o caso do estanho (76,7%), níquel (41,5%), cobre (65,8%), alumínio (41%) e  zinco (38,7%).

Protagonistas

O estado do Pará se destacou dentro do setor com sua fatia de 44% de participação no faturamento total do país. Dessa forma, em segundo lugar, se encontra o estado de Minas Gerais, que respondeu por 41%. Vale lembrar que esses dois estados são os principais produtores de minério do Brasil.

Setor mineral tem aumento de 98% no faturamento do primeiro semestre de 2021
Imagem representação setor mineral

Royalties

Com esse enorme faturamento, o recolhimento de tributos também aumentou em 98%. Portanto, o total chegou a R$ 51,4 bilhões.

Em suma, considerando apenas a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), conhecida como o royalty que é cobrado das mineradoras, a arrecadação chegou ao valor de R$ 4,48 bilhões no primeiro semestre do ano.

De acordo com o Ibram, o novo recorde da CFEM 2021 pode superar os R$ 6,1 bilhões, arrecadados em 2020. “Continuando a demanda forte de minerais e os preços ficando no atual patamar, acreditamos que o CFEM pode fechar o ano com algo em torno de R$ 9 bilhões. E até ultrapassar esse valor, não seria surpresa”, afirmou o diretor do Ibram, Wilson Brumer.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais